Economia

Desemprego afeta 14,2 milhões, diz IBGE

Desemprego afeta 14,2 milhões, diz IBGE
Mais pessoas buscam vagas. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS

O País alcançou um número recorde de pessoas em busca de uma oportunidade no mercado de trabalho no trimestre encerrado em janeiro. A taxa de desemprego subiu a 14,2%, pior resultado para o período dentro da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012 pelo IBGE.

O número de desempregados alcançou o ápice de 14,272 milhões de brasileiros, 2,359 milhões de pessoas a mais nessa condição em relação ao mesmo período de 2020.

A pesquisa mostra que falta trabalho para 32,380 milhões de pessoas no Brasil, incluindo um montante também recorde de 5,902 milhões de desalentados, pessoas que gostariam de trabalhar, mas que não buscam uma vaga por acreditarem que não encontrariam uma oportunidade, por exemplo.

“O agravamento do quadro pandêmico, os recentes sinais de fraqueza de grandes setores, a redução do arsenal de políticas anticíclicas, e as incertezas da agenda de política econômica devem manter o mercado de trabalho relativamente mais fragilizado que os demais setores da economia”, avaliou Lucas Assis, analista da Tendências Consultoria Integrada.

Segundo Assis, a reedição do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda deve ajudar a sustentar os postos de trabalho com carteira assinada no setor privado, mas a renovação do auxílio emergencial em menor valor e com menos beneficiários não deve ser suficiente para conter o esperado aumento na busca por emprego. (Estadão Conteúdo)

Comentários