Economia

Cesta básica sobe 1,2% em março em Sorocaba, mais que a inflação

Batata, frango e farinha de mandioca foram os itens que mais aumentaram
Cesta básica sobe 1,2% em março, mais que a inflação
Alta da batata, de 17%, é atípica para a época do ano. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (8/3/2019)

A cesta básica sorocabana apresentou uma alta de 1,27% em março, acima da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Amplo 15 (IPCA-15), que foi de 0,54% no mês. O valor de R$ 608,41 é o maior desde agosto de 2016, quando era R$ 609,94. A alta maior que a inflação indica que os produtos de consumo básica subiram, em média, mais que os preços em geral da economia, conforme o relatório da pesquisa, elaborada pela equipe do Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso.

Leia mais  Preço da cesta básica sobe em todas as capitais pesquisadas em março

 

Nos dois primeiros meses de 2019, a cesta teve alta de 0,39% em janeiro e 2,03% em fevereiro. Dos 34 itens, 22 subiram de preço em março. A batata liderou, com aumento de 17%, passando de R$ 4,28 o quilo em fevereiro para R$ 5,01 em março. Os motivos foram a redução da oferta devido às fortes chuvas em grandes regiões produtoras e a redução da área plantada. A alta da batata é atípica para março, quando normalmente há queda.

A segunda maior alta foi do alho (12,54%), de R$ 2,95 (200 g) em fevereiro para R$ 3,32 em março. Depois veio o frango (10,11%), de R$ 5,64 o quilo em fevereiro para R$ 6,21 em março. O maior volume exportado reduziu a oferta interna do frango e com isso aumentou o preço. Apesar de ter sido o terceiro produto que mais subiu em março, devido ao seu peso na cesta básica foi o que mais contribuiu para a alta da cesta.

Outro item que iniciou março com aumento foi a farinha de mandioca (6,93%), passando de R$ 3,32 (500 g) em fevereiro para R$ 3,55 em março.

Feijão

O feijão carioca (pacote de 1 kg) foi o oitavo produto da cesta de maior alta (4,42%), custando em média R$ 8,50 em março. O feijão aumentou bastante em meses anteriores devido à menor oferta e seu preço continua alto.

Por outro lado, os itens que tiveram as maiores quedas em março foram o açúcar refinado (-5,74%), que custava R$ 2,09 (1 kg) em fevereiro e R$ 1,97 em março. As chuvas ajudaram no cultivo de cana-de-açúcar do Brasil e amenizaram as perdas com a estiagem até o início deste ano.

O café também apresentou queda (-1,74%), de R$ 9,76 (500 g) para R$ 9,59 (por causa da boa safra colhida no ano passado), assim como a carne de 1ª (-1,03%), de R$ 22,38 o quilo para R$ 22,15.

Apesar de alta no preço em março, o frango continua sendo opção econômica de proteína animal. Para substituir a carne bovina (mais cara), a carne suína também é alternativa. Com a proximidade da Semana Santa, o consumidor deve pesquisar pois o peixe costuma ficar mais caro. (Da Redação)

Comentários

CLASSICRUZEIRO