Economia

Auxílio emergencial terá mais duas parcelas de R$ 600

O governo federal confirmou a extensão do benefício durante evento no Palácio do Planalto
Auxílio emergencial terá mais duas parcelas de R$ 600
Jair Bolsonaro durante anúncio da prorrogação do auxílio. Crédito da foto: Reprodução / TV Brasil (30/6/2020)

O governo federal confirmou nesta terça-feira (30) a extensão do auxílio emergencial. O benefício terá mais duas parcelas de R$ 600, confirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

Bolsonaro chegou ao evento acompanhado dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Mais cedo, Paulo Guedes antecipou que a extensão do programa será feita por meio de três pagamentos, concentrados em dois meses.

“Temos aquele dilema. Ou você dá um valor alto por pouco tempo ou dá valor mais baixo e estica um pouco. Vamos por essa solução”, afirmou, pela manhã, em audiência pública por videoconferência na Comissão Mista do Congresso Nacional que monitora a execução orçamentária e financeira das medidas relacionadas à covid-19.

A lei que criou o auxílio emergencial determina que, em caso de prorrogação do auxílio, o governo precisa manter o pagamento mensal de R$ 600. Segundo Guedes, o governo irá manter esse valor de desembolso mensal, mas dividirá o pagamento em duas parcelas no último mês, para que a cobertura dure mais tempo.

Leia mais  Decotelli entrega carta de demissão a Bolsonaro

 

“A lei obriga o pagamento de R$ 600 em um mês e R$ 600 no outro. Então vamos fazer três meses de cobertura, com dois pagamentos em um mês”, detalhou Guedes. Ontem, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, informou que a extensão do auxílio emergencial custará R$ 100 bilhões ao governo. (Da Redação e Estadão Conteúdo)

Comentários