Economia

Alta da carne eleva custo da cesta básica

Dos 34 itens pesquisados, 17 apresentaram aumento em fevereiro, conforme pesquisa da Uniso
Alta da carne eleva custo da cesta básica
Preço da carne bovina de 1ª subiu 18,9% no mês passado. Crédito da foto: Fábio Rogério

O aumento do preço da carne bovina principalmente, além de outros itens, elevou o custo da cesta básica sorocabana entre janeiro e fevereiro, pesando no bolso das famílias. Pesquisa da Universidade de Sorocaba (Uniso) indicou que o conjunto de 34 produtos subiu 4,44% no mês passado (de R$ 872,01 para R$ 910,73), bem mais que a inflação prévia do mês, medida pelo IPCA-15, que foi de 0,48%.

Na comparação de fevereiro de 2021 com o mesmo mês de 2020, o aumento é de 34,06%, ou seja, R$ 231,38 pagos a mais pelo consumidor em um ano.

Dos 34 itens pesquisados na cesta básica sorocabana, 17 deles apresentaram aumento no preço. A cebola e carne de 1ª subiram 26,5% e 18,9% respectivamente. A carne de 1ª passou de R$ 33,99 o quilo em janeiro, na média, para R$ 40,42 no mês seguinte. A cebola, por sua vez, foi de R$ 4,80 o quilo para R$ 6,07. A carne de 2ª também teve aumento, de R$ 24,05 o quilo para R$ 25,44 (5,8%). Também tiveram alta a muçarela e o açúcar refinado.

Leia mais  Dólar oscila com tensão política e fiscal

De acordo com o relatório da pesquisa, o principal motivo para o aumento no preço da cebola foi a queda na oferta devido às condições climáticas. Já no caso da carne de 1ª, “vários foram os fatores que contribuíram para isso, entre eles estão o aumento do custo da ração, puxada pelo aumento do preço da soja e do milho, o aumento das exportações para a China, o que reduziu a oferta de carne no mercado interno, e a oferta restrita do gado para o abate”.

Alta da carne eleva custo da cesta básica
A cebola teve a maior alta devido à redução da oferta. Crédito da foto: Fábio Rogério

O aumento do ICMS também foi citado como um possível fator para o aumento no preço das carnes por Marcos Henrique, proprietário de um açougue em Sorocaba. Para ele o imposto, somado às exportações, está contribuindo para o valor das carnes, que acaba sendo repassado ao consumidor. Marcos ainda afirmou que a busca por alternativas já foi sentida em seu estabelecimento. “As pessoas preferem carne suína e frango”, disse.

Leia mais  Indústria opera 2,8% acima do nível pré-pandemia

Os consumidores também alegam que o valor dos produtos está pesando mais no bolso. A aposentada Izabel Regina Batista Santos está tentando substituir os alimentos por opções mais baratas. “Eu tento substituir, mas está impossível. Não temos mais opções, tudo está caro”, afirmou ela. Izabel contou que sua aposentadoria quase não paga mais a compra do mês.

O engenheiro Jamis Oliveira Reis conta que está optando por ovos e frango, porém, ele e a esposa prezam pela alimentação balanceada do filho e por isso não abrem mão da carne.

Alguns itens tiveram queda de preço. A batata passou de R$ 6,52 o quilo em janeiro para R$ 5,87 em fevereiro. O aumento da oferta foi o principal fator que contribui para tal queda.

Ainda conforme a equipe do Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso, a carne de 1ª pode ser substituída pelos consumidores por peixe, que está em torno de R$ 27,97 o quilo. Outra opção é a carne suína, custando em média R$ 14,99 o quilo. Já a linguiça fresca, pode ser substituída por frango, que atualmente custa em torno de R$ 8,29 o quilo. (Kally Momesso – programa de estágio / Supervisão: Marcelo Roma)

Comentários