Cultura

Sorocabana Paula Cavalciuk é a melhor cantora no Lollo Terra

Sorocabana venceu festival, em São Miguel Arcanjo, com a música “Pangeia”, de sua autoria
Paula Cavalciuk é a melhor cantora no Lollo Terra
“É muito legal ver as pessoas da cidade saindo de casa para prestigiar músicas autorais inéditas”, diz Paula Cavalciuk, sobre o Lollo Terra. Crédito da foto: Divulgação

A sorocabana Paula Cavalciuk recebeu o prêmio de melhor cantora no 14º Prêmio Lollo Terra de MPB, realizado no último final de semana em São Miguel Arcanjo, na Região Metropolitana de Sorocaba (RMS).

O primeiro lugar na categoria melhor canção ficou para “Frágil beleza”, do paulistano Raul Misturada, seguida de “Meu teremim”, de Jéssica Stephens, de Praia Grande. A terceira colocada foi “Ilá de mim”, de Gui Silveiras, de Tatuí.

Leia mais  São Miguel Arcanjo sedia o 14º Prêmio Lollo Terra de MPB

 

Também foram premiados Lô Vieira (melhor cantor), Paulo Flores (na categoria meio ambiente), Hugo Brasarock (melhor letra) e Ando & Barroso Eus (comunicação). A dupla Paulinho & Edinho conquistou o prêmio “Marco Aurélio Bola”, dedicado ao melhor artista classificado de São Miguel Arcanjo.

Paula Cavalciuk venceu o prêmio com a canção “Pangeia”. A nova canção, de sua autoria, fala dos dilemas da vida moderna e exalta a simplicidade da vida no campo. “Quem já foi pangeia não tem medo de partir”, diz um dos versos. “As coisas estão em constante movimento e nada é definitivo”, comenta a compositora.

A artista comenta que a letra teve origem no seu fascínio pela Pangeia, como é chamado este supercontinente único que teria existido há mais de 250 milhões de anos, que o acompanha desde a infância, quando teve seu primeiro contato com o tema em uma aula de geografia. “Vem desses questionamentos infantis que preservei e preservo”, afirmou.

Paula — que já havia participado do prêmio Lollo Terra em 2016, quando conquistou a categoria de melhor letra, com “Maria invisível” — assinala que o prêmio de melhor cantora só foi possível graças à parceria com o violonista Anderson Charnoski, que a acompanhou na apresentação. A cantora comenta que conheceu o músico recentemente e se dispôs a substituir Vinícius Lima, parceiro de longa data, que já tinha compromisso assumido na mesma data.

“Ele me deixou à vontade no palco e eu pude me dedicar estritamente a cantar e interpretar a minha canção”, complementa. Além de Paula Cavalciuk, a cantora sorocabana Fernanda Teka também foi uma das as doze classificadas na fase regional, com a música “De Mercedes, de mãe”, um rap que homenageia a força e a determinação de sua mãe. O videoclipe da canção está disponível no canal da artista no Youtube.

Com intuito de democratizar ainda mais o acesso ao festival, que em 2018 passou a ser organizado pela Prefeitura da cidade, por meio da Secretaria e Turismo, as apresentações ocorreram pela primeira vez na praça Tenente Urias, ao lado da Basílica de São Miguel Arcanjo (igreja matriz).

Paula Cavalciuk destacou a importância do festival de música, que é um dos mais tradicionais da RMS, e elogiou o engajamento da população local que prestigiou o evento. “Iniciativas que ainda preservam algo para movimentar a música e a cultura estão ficando cada vez mais escassas, e quando se depara com esse tipo de premiação, acontecendo na raça, no interior, a gente tem que aproveitar. É muito legal ver as pessoas da cidade saindo de casa para prestigiar músicas autorais inéditas”, comemorou. (Felipe Shikama)

Comentários