Cultura

Sala de Sorocaba exibirá Festival de Cinema Francês

Entre filmes e documentários, Varilux apresentará 20 produções
Salas de Sorocaba exibirão Festival de Cinema Francês
O clássico escolhido para este ano é “Acossado”, de Jean Luc-Godard, em homenagem aos 60 anos da Nouvelle Vague. Crédito da foto: Divulgação

Remeke de “Convenção das bruxas”, um clássico da fantasia da década de 1990, e o drama “Equanto estivermos juntos” são as únicas novidades do circuito comercial que estreiam hoje nas salas de cinema de Sorocaba. No entanto, o público poderá conferir quase vinte produções inéditas selecionadas pelo Festival Varilux de Cinema Francês 2020, que prossegue até 3 de dezembro na sala 10 do Cinépolis Iguatemi, do shopping Iguatemi Esplanada. As sessões ocorrem sempre às 15h, 18h05 e 20h15.

Dentre os filmes selecionados, os amantes da sétima arte poderão conferir documentários e longas de ficção com gêneros como comédia, drama e animação. O clássico escolhido para este ano é “Acossado”, de Jean Luc-Godard, em homenagem aos 60 anos da Nouvelle Vague.

Com uma edição atípica devido à pandemia, o evento estará nas redes exibidoras que seguem rígidos protocolos recomendados pelas autoridades sanitárias a fim de oferecer segurança tanto ao público quanto aos profissionais envolvidos na sua realização.

Leia mais  Macs recebe “Egidio por metro quadrado”

Com direção e curadoria do festival de Christian Boudier, o festival conta com filmes inéditos estão diretores consagrados como François Ozon, presença recorrente, que apresenta “Verão de 85” (Eté 85), longa que integrou a seleção oficial do Festival de Cannes. Passaram por Cannes também as produções “DNA” (Adn), de Maïwenn, com Louis Garrel e Fanny Ardant; “Minhas férias com Patrick” (Antoinette Dans Les Cévennes), de Caroline Vignal; “Slalom” (Slalom), de Charlène Favier, e “Gagarine” (Gagarine), de Fanny Liatard e Jérémy Trouilh.

A edição 2020 também traz filmes premiados. “Apagar o Histórico” (Effacer l’historique), de Benoît Delépine e Gustave Kervern, ganhou o Urso de Prata neste ano, no 70ª Festival de Berlim por “filme que abre novas perspectivas”. Já “Belle Epoque” (La Belle Époque), de Nicolas Bedos, foi detentor de três Césares em 2020: melhor roteiro original, atriz coadjuvante e direção de arte.

Leia mais  Plataforma lança exposições virtuais de artistas negros

Atores e atrizes conhecidos do público brasileiro também não podem faltar. Juliette Binoche volta ao Festival Varilux como protagonista de “A boa esposa”(La Bonne Épouse), de Martin Provost; e o ator Vincent Cassel estrela “Mais que Especiais” (Hors Normes) de Eric Toledano e Olivier Nakache.

O evento é realizado pela produtora Bonfilm e tem como patrocinador principal a Essilor/Varilux e tem apoio de Alianças Francesas em todo Brasil, a Embaixada da França no Brasil, distribuidoras de filmes e os exibidores de cinema independente de arte e as grandes redes de cinema comercial. A programação completa está disponível no site www.variluxcinefrances.com.

Circuito comercial

Além do festival de cinema francês, estreiam hoje nos cinemas da cidade o remake “Convenção das bruxas”, dirigido por Robert Zemeckis, conhecido pela trilogia “De volta para o futuro”, e que tem Anne Hathaway, Octavia Spencer e Stanley Tucci no elenco. Baseado no livro infantil homônimo de Roald Dahl, o longa acompanha um garoto de sete anos que se depara com uma conferência de bruxas em um hotel. Lá, ele acaba descobrindo que um grupo de bruxas está fazendo uma convenção, pretendendo transformar todas as crianças do mundo em ratos. Outra opção é o drama religioso “Enquanto estivermos juntos”, de Andrew Erwin e Jon Erwin. Baseado na história real de Jeremy Camp (K.J. Apa), famoso cantor de rock cristão e indicado ao Grammy, o filme relata como a religião foi essencial para o artista superar dores de sua vida, principalmente quando sua esposa Melissa (Britt Robertson) é vítima de câncer. (Felipe Shikama)

Comentários