Buscar no Cruzeiro

Buscar

Remasterizado, ‘Elis’ chega às plataformas

18 de Março de 2021 às 00:01

Remasterizado, ‘Elis’ chega às plataformas Cantora, que faria 76 anos ontem, lançou o álbum “Elis” em 1972. Crédito da foto: Divulgação

“Os arranjos de Cesar Mariano para ‘20 Anos Blue’ se adaptam a Elis como um vestido esvoaçante”. A frase escrita por uma usuária da Amazon japonesa fala sobre a faixa que abre o álbum que Elis Regina lançou em 1972, o primeiro com arranjos de Cesar Camargo Mariano, e que ontem, dia em que a cantora completaria 76 anos, chega ao mercado com nova mixagem e masterização em CD, vinil e plataformas digitais.

Produzido no passado por Roberto Menescal, o álbum “Elis” - ou “o disco da cadeira”, como ficou conhecido por muitos em função da foto que estampa a capa -- ganha nova edição, dirigida pelo filho mais velho da cantora, João Marcello Bôscoli. Os trabalhos técnicos ficaram a cargo do engenheiro de som Luis Paulo Serafim e a masterização por Carlos Freitas.

João sabe que, em um projeto como esse -- e ele já havia feito o mesmo processo com outros três discos da mãe --, é preciso ter muito cuidado para não apertar ou esgarçar a tal costura a que se refere a ouvinte japonesa. Sobretudo quando se trata de uma obra-prima como no caso de Elis.

Além do repertório, que inclui músicas como “Águas de Março” (Tom Jobim), “Atrás da Porta” (Francis Hime/Chico Buarque), “Nada Será Como Antes” e “Cais” (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos), “Bala Com Bala” (João Bosco/Aldir Blanc), “Casa no Campo” (Zé Rodrix/Tavito), “Mucuripe” (Raimundo Fagner/Antonio Carlos Belchior), o disco juntou, pela primeira vez, o que ficou conhecido como o quarteto fantástico da cantora: Cesar Camargo Mariano (piano), Luizão Maia (contrabaixo), Hélio Delmiro (guitarra) e Paulo Braga (bateria). O grupo a acompanharia em mais dois álbuns, inclusive, no histórico Elis & Tom, de 1974, e em apresentações pelo Brasil e no exterior.

“Me encanta saber que agora o som está muito próximo do que foi ouvido dentro da técnica por Elis e todos os outros envolvidos na gravação. Se música é, entre outras definições, uma tradução sonora dos sentimentos humanos, agora, sem as limitações do vinil e das primeiras digitalizações feitas para CD, estamos mais perto do que ela quis imprimir na sua obra. A Elis sempre reclamava do que ela ouvia no estúdio ser distante do que ela ouvia em casa”, diz João.

A nova mixagem foi feita respeitando a original -- o disco foi gravado em apenas quatro canais --, com ganhos de texturas, camadas e voz. Era preciso não quebrar a mítica harmonia criada pelo quarteto e os espaços abertos pelos arranjos de Mariano para que a voz de Elis se aconchegasse. A masterização ajustou o áudio para ser distribuído nos diferentes formatos: no vinil 180g, no CD e no digital.

Remasterizado, ‘Elis’ chega às plataformas Boscoli trabalha na remasterização de outros discos da mãe. Crédito da foto: Divulgação

Mas qual era o som que saía dos instrumentos desses músicos -- incluindo Elis, que sempre pensou como um deles? Em seu livro de memórias, “Solo”, em 2011, Mariano diz não saber explicar com palavras. Diz que não havia virtuosismo, mas humildade. “Tocávamos ouvindo uns aos outros, nos complementando em função de uma sonoridade homogênea”, escreveu.

O baterista Paulo Braga confirma o que Mariano contou. Tudo era feito na hora. “O Menescal até brincava com a gente: ‘Cada take vocês tocam de um jeito diferente’. Todo mundo jovem, com a cabeça fresca”, diz. “Criamos um jeito novo de tocar samba. Lembro que eu brigava com o técnico de som. Falava: ‘cadê meu bumbo, cadê a vassoura (baquetas)? Parece que estou tocando em um papel’”, lembra o músico, referindo-se às limitações dos estúdios na época.

“Eles criaram uma sonoridade única para Elis. A bateria extremamente minimalista tem todo suingue necessário para uma cantora como ela e, ao mesmo tempo, não tem nenhuma frequência que brigue com a voz. O Cesar Mariano, mundialmente famoso pelo uso de sua mão esquerda na montagem dos acordes, cria uma sinfonia de contrapontos. Um momento mágico. Tem bossa, baião, samba. São caminhos que Tom Jobim, Djavan e João Bosco, por exemplo, adotaram em seus trabalhos”, diz João.

Improviso

A nova mixagem de Elis traz, em algumas faixas, flagrantes do que aconteceu no estúdio. No início de “Bala Com Bala”, por exemplo, há uma risada de Elis. Antes de cantar outro samba, o “Me Deixa Em Paz” (Ivan Lins/Ronaldo Monteiro de Souza), ela solta um “vacilou”.

“Águas de Março” ganha um tempo de duração maior e mostra o que rolou depois do fade out -- quando o volume de som vai diminuindo gradativamente indicando o final da faixa -- da versão original: um delicioso improviso de Elis e seus músicos em cima da melodia criada por Jobim. Diferentemente do que aconteceu com outros relançamentos de Elis comandados por João, nenhuma faixa-bônus foi acrescentada ao disco. (Danilo Casaletti - Estadão Conteúdo)