Cultura

Plataforma lança exposições virtuais de artistas negros

São 30 exposições virtuais, a seção conta com parcerias de 15 instituições culturais
Emanoel Araújo, Yemanjá, 1969. Crédito da foto: Reprodução

Como forma de celebrar o Dia da Consciência Negra, nesta sexta-feira (20), e dar mais visibilidade para artistas negros, o Google Arts & Culture, plataforma que reúne exposições virtuais, lançou uma seção com 30 exposições de artistas negros brasileiros, com 13 inéditas.

Batizada de Consciência Negra, a seção conta com parcerias de 15 instituições culturais, como a Pinacoteca de São Paulo, o Instituto Moreira Salles, o Museu Histórico Nacional, a Fundação Cândido Portinari e o Museu Nacional. A ideia é permitir que o usuário “explore as histórias, artes e culturas da experiência negra no Brasil”.

Entre as mostras inéditas está a coleção de 600 obras digitalizadas do Museu de Arte da Bahia, que ganharão versões em alta resolução pela primeira vez, e uma mostra do Geledés Instituto da Mulher Negra sobre a história por trás do Dia da Consciência Negra.

Leia mais  Andarilho, primeiro álbum de Deds D, chega às plataformas

Com imagens de peças de vestimenta, quadros e também de registros fotográficos, todas as mostras já estão disponíveis na plataforma. A iniciativa também inclui a ação Restauração Histórica: ancestralidade negra pela arte com o Museu Afro Brasil, em que quatro artistas jovens negros foram convidados para mostrar episódios históricos protagonizados por negros, relevantes para a história do Brasil – e que são pouco conhecidos.

Entre as representações estarão as histórias dos Ibejis, dos Irmãos Timotheo, da Irmandade da Boa Morte e também de tecnologias de origem africana usadas até hoje. A ação especial também já está disponível no Google Arts & Culture, que inclui acervos com mais de 2 mil obras digitalizadas. (Estadão Conteúdo)

Comentários