Buscar no Cruzeiro

Buscar

Cultura

Atividades da Semana Aluísio de Almeida seguem até domingo (7)

Programação é em homenagem ao padre, historiador e escritor

05 de Novembro de 2021 às 00:01
Cruzeiro do Sul [email protected]
Sede do Instituto Histórico abriga o Museu Maçônico de Sorocaba e Votorantim.
Sede do Instituto Histórico abriga o Museu Maçônico de Sorocaba e Votorantim. (Crédito: VINÍCIUS FONSECA / ARQUIVO JCS)

Começou ontem (4) e segue até domingo (7) a Semana de Aluísio de Almeida 2021 que é realizada pelo Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba (IHGGS) com o apoio da Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), além de outros parceiros. As atividades são gratuitas e têm o objetivo de reverenciar a memória do Monsenhor Luiz Castanho de Almeida (1904-1981), que tinha como pseudônimo Aluísio de Almeida.

A abertura da semana aconteceu ontem com uma homenagem especial à Tereza de Castro Timóteo, que foi elevada à condição de sócia honorária do IHGGS, na Casa de Aluísio de Almeida. Na ocasião, também aconteceu a posse de dois associados efetivos: Edmilson Cruci, que terá como patronesse Tereza de Castro Timóteo; e Vinícius Leonardo Ribeiro, que terá como patrono Martim Afonso Tibiriçá.

Recordar é viver

Outra atração da programação será o evento “Recordar é Viver”, que ocorrerá hoje (5), às 15h, na Casa de Aluísio de Almeida, com apresentação do Edézio da Silva Júnior e do Claudemir Francisco Conrado.

Amanhã (6), às 10h, será realizada uma homenagem ao sacerdote, historiador e escritor Monsenhor Luiz Castanho de Almeida, no Cemitério da Saudade, onde se encontra o seu túmulo. A abertura será feita por Adilson Cezar, atual presidente do IHGGS, com uma oração feita pelo padre Tadeu Rocha Moraes, pároco da Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Ponte de Sorocaba.

Também amanhã, às 17h, será realizada uma Missa “in memoriam” de Monsenhor Luiz Castanho de Almeida, na Catedral, presidida pelo pároco Padre Tadeu Rocha Moraes, com a participação especial do Coral Gaudentes in Domino. Em seguida, às 19h, ainda na Catedral, será feita uma sessão solene, com a participação especial do cantor e músico Gerluis Francisco Nogueira. A noite será de agradecimentos pelos inúmeros apoios recebidos pelo IHGGS em 2021 e terá, ainda, a outorga de condecorações oficializadas pelo Governo do Estado de São Paulo.

Para encerrar a programação, no domingo (7), às 10h, será promovido o 1º aniversário de fundação do Museu Maçônico de Sorocaba e Votorantim, inaugurado em 7 de novembro de 2020, no IHGGS, presidido por Cláudio Alejandro Lamedica.

Mais informações podem ser obtidas de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na Casa de Aluísio de Almeida, localizada na rua Dr. Ruy Barbosa, 84, na Vila Hortência, pelo telefone: (15) 3231.1669 e pelo e-mail: [email protected]

Aluísio de Almeida

Nascido em 6 de novembro de 1904, em Guareí (SP), o padre, historiador e escritor Monsenhor Luiz Castanho de Almeida é considerado o pai da história de Sorocaba e autor de vários livros sobre história, religião e folclore. A Casa de Aluísio de Almeida foi construída na década de 1930, pelo coronel Aníbal Castanho de Almeida, pai de Luiz Castanho de Almeida. Nesse local, por iniciativa do historiador, foi fundado, em 3 de março de 1954, o Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba.

Além das reuniões e debates sobre história e ciência, a Casa de Aluísio de Almeida também foi um lugar onde se produziu parte do conhecimento de que Sorocaba dispõe hoje. Com o pseudônimo de Aluísio de Almeida, o sacerdote, historiador e escritor teve seu nome conhecido nacionalmente por contribuições literárias a jornais, revistas e biografias voltadas à história.

Seus artigos sobre folclore, história, costumes, genealogia, religião, entre outros, são referência a pesquisadores e estudiosos. Deixou 22 livros editados, além de alguns inéditos. Suas obras podem ser encontradas nos arquivos do IHGGS, localizado na Casa de Aluísio de Almeida, que também preserva em seu acervo alguns objetos e mobiliário, além de manuscritos, livros e artigos originais que contam a história da cidade. Padre Castanho, como também era chamado, faleceu em 28 de fevereiro de 1981, em Sorocaba. (Da Redação com Secom Sorocaba)