Buscar no Cruzeiro

Buscar

Cultura

‘Com par ti lhar’, mostra de dança on-line, será amanhã

Ação solidária conta com 32 grupos nacionais e internacionais

14 de Maio de 2021 às 00:01
Kally Momesso [email protected]
Unir dança e solidariedade foi é um dos objetivos da ação.
Unir dança e solidariedade foi é um dos objetivos da ação. (Crédito: DIVULGAÇÃO)

A Dança Energia Arte (Dea) promove, amanhã (15), a mostra de dança solidária “Com par ti lhar”. O evento será transmitido a partir das 14h30, por meio do canal do Youtube, DEA - Dança Energia Arte (https://www.youtube.com/channel/UC5BPZejU5SqdiihH9GERAeA/featured), e contará com 32 grupos de dança nacionais e internacionais. O dinheiro arrecadado por meio de doações das escolas inscritas e do público que quiser colaborar será revertido em mantimentos para o Instituto Bem Mais Saúde.

Por conta da grande quantia de trabalhos coreográficos inscritos para a mostra solidária, o evento será dividido em três blocos. A primeira sessão deverá ocorrer a partir das 14h30. Já a segunda e terceira sessões deverão ser transmitidas a partir das 16h30 e 19h, respectivamente.

A idealizadora e coordenadora do evento, Sueli Miguel Fernandes, já realizava diversos eventos e competições de dança na cidade. Foi então que, em dezembro de 2020, ela decidiu remodelar as apresentações de dança para auxiliar pessoas em situação de vulnerabilidade. “A iniciativa surgiu de uma amizade, um comprometimento, um contato assíduo com dança, desde a década de 90. Eu fiz um trabalho solidário em dezembro e, em uma conversa, eu pensei em mudar o formato disso”, conta ela.

Andrea Sposito, diretora e também coordenadora da mostra de dança, relembra que, após 20 anos em São Paulo, ela voltou a Sorocaba com a intenção de abrir uma nova escola de dança e realizar a ação solidária junto a Sueli. “Vindo para cá, a Sueli, ano passado, me chamou para fazer umas avaliações deste mesmo evento. Quando foi o [evento] deste ano, ela me chamou para fazer junto com ela”, relata.

Para a idealizadora Sueli, a pandemia paralisou todos os setores, inclusive a arte e a dança. “Eu sou produtora artística. Eu tive que me adequar. Todos nós estamos com necessidade de trabalho, porém, não vai ser já. Então o objetivo desse evento foi ‘o que eu posso fazer com a dança em prol do meu semelhante, daqueles com mais necessidade?’”, e continua “Mesmo sem trabalhar, a gente está conseguindo ajudar as pessoas com necessidade maior. Vamos compartilhar amor, vamos compartilhar solidariedade”.

Conforme Andrea, ações solidárias são importantes tanto para quem recebe, quanto para quem doa. Ela ainda ressaltou a importância da dança neste processo. “É uma ação que valoriza não apenas a colaboração social, mas a dança também. Vai ser bacana porque a gente vai defender os dois lados. Nós estamos nessa fase de olhar o próximo, e é muito importante nesse momento. E, com isso, a gente vai unir a dança. A dança tem um poder muito grande. Ela tem uma força de superação, de cura, ela encaminha muitas pessoas. É o momento de nos unirmos para ação social e para a dança”, afirma ela.

Participação internacional

O evento, que inicialmente contaria com cerca de uma hora e meia de apresentação, tomou uma proporção muito maior do que o previsto pelas organizadoras, que receberam conteúdo para mais de 5 horas de apresentação, com inscrições de 32 grupos de dança, entre eles, escolas do Peru, Paraguai e Argentina. Para as organizadoras, o resultado é “sensacional”. “Essa solidariedade abrangeu um tamanho gigantesco. Para a dança, é sensacional. A gente toca as pessoas, mundialmente falando. Com isso, a gente vai fortalecendo raízes”, diz Andrea.

A diretora e coordenadora do evento ainda conta que, por causa da alta procura das escolas pela mostra de dança “Com par ti lhar”, foi necessário prorrogar as inscrições. Para Andrea, o reconhecimento internacional do evento e sua proporção é uma credibilidade e responsabilidade muito grande. “Dá força de continuar, de seguir em frente. São pessoas que acreditam na força da arte. É um alimento para a alma, para dar continuidade naquilo que a gente acredita, no nosso trabalho”.

Para inscrever seus trabalhos coreográficos, os grupos de dança precisaram realizar o pagamento de uma taxa simbólica de R$ 15. O valor será convertido em alimentos e produtos de higiene para o Instituto Bem Mais Saúde, que presta atendimento para pacientes oncológicos e pessoas que fazem hemodiálise. Além disso, a população em geral pode auxiliar neste trabalho de arrecadação doando qualquer quantia. Conforme a organização, as pessoas podem entrar em contato por meio do email [email protected] (Kally Momesso - programa de estágio / Supervisão: Carolina Santana)