Cultura

Músicos sorocabanos saem premiados do Lollo Terra

Tradicional festival aconteceu no final de semana em São Miguel Arcanjo
Músicos sorocabanos saem premiados do Lollo Terra
João Leopoldo apresentou “Do lado sul do real” ao lado da filha Clara Nolasco – Foto: Claudio Eigi Iwasaki / Divulgação

Os sorocabanos João Leopoldo e Ananda Jacques saíram premiados da 13ª edição do Prêmio Lollo Terra de MPB, que aconteceu no final de semana em São Miguel Arcanjo. Leopoldo conquistou o segundo lugar com a composição “Do lado sul do real”, enquanto Ananda foi o destaque como Melhor Cantora ao interpretar “Amor de cafeína”. Ambos disputaram o prêmio com outras 24 canções classificadas — e mais de 100 inscritas.

Leia mais  ‘Bacurau’ segue na lista de filmes elegíveis ao Oscar

 

João Leopoldo já contabilizava dois prêmios no Lollo Terra: o primeiro lugar, em 2016, com a música “É fácil ser difícil” e, em 2014 o destaque como Melhor Letra, com “Tragédia do som”. Ele destaca que eventos deste tipo, como o tradicional festival de São Miguel, movimentam as cidades e contribuem para que uma maior diversidade musical possa ser apresentada para o público. “Como não existe uma constância e o evento acontece só uma vez por ano, as pessoas se preparam, o público se mostra muito receptivo a diferentes gêneros e estilos”. Leopoldo destaca que o festival Lollo Terra sempre foi aberto a esta diversidade musical. “A participação sempre nos gera uma expectativa do que vão achar, como irão receber.” “Do lado sul do real”, lembra o músico, foi composta há cerca de dez anos e faz uma brincadeira com as palavras, retratando uma hipotética conversa entre o autor e um instrumento. Ele comemora, ainda, o fato de ter tido a oportunidade de mostrar sua música numa apresentação que teve a participação da filha Clara Nolasco.

Músicos sorocabanos saem premiados do Lollo Terra
Ananda Jacques comemorou o prêmio com a interpretação de “Amor de cafeína” – Foto: Reprodução / Facebook

Ananda Jacques destacou que se sentiu muito bem acolhida no festival, que segundo sua opinião teve um júri muito capacitado. Este foi o segundo festival do qual a cantora participou. “A final teve apresentações muito potentes e é uma grande oportunidade de conhecer outros musicistas e encontrar caminhos para minhas composições.” Isso porque, comenta Ananda, muita coisa criada acaba ficando engavetada. “Estes festivais proporcionam apresentá-las, há pessoas interessadas em conhecer coisas novas.” “Amor de cafeína”, ela conta, é uma canção nova que possui notas graves e bem agudas, que lhe ajudaram a mostrar toda a sua potência vocal. “Um dia uma senhora me perguntou: você não tem nenhuma música romântica? Percebi que não tinha e essa é a minha primeira música romântica.”

O primeiro lugar da 13ª edição do Lollo Terra ficou com “Do lado de dentro”, de Thiago K. e Kleuber Garcez , de São Paulo (SP). Considerado um dos festivais de música autoral mais tradicionais da região, o festival voltou a ser realizado após hiato de dois anos. De acordo com João Auro Terra, um dos organizadores do evento, a interrupção ocorreu por falta de recursos financeiros e da transição de governo municipal.

Leia mais  Orlando Drummond é vacinado contra o coronavírus aos 101 anos

 

A retomada, segundo ele, se deu através de apoio da Prefeitura de São Miguel, que investiu um aporte na ordem de R$ 20 mil. O prêmio foi criado em 2005, idealizado pelo professor e músico Dudu Terra, que sentia a grande necessidade de São Miguel Arcanjo se projetar novamente no cenário musical a partir dos festivais, pois em décadas passadas, o município foi reconhecido pela organização de grandes encontros musicais. O festival rende homenagem ao compositor Lollo Terra (1949-1997), destacado como grande vencedor de festivais da região.

Comentários