Cultura

Mulheres participam de concurso literário na Penitenciária de Votorantim

O objetivo foi incentivar a leitura, a escrita e despertar valores fundamentais que ajudam a formar opinião das participantes
Mulheres participam de concurso literário na Penitenciária de Votorantim
Penitenciária de Votorantim durante processo de construção. Crédito da foto: Pedro Negrão (12/10/2016)

A Penitenciária Feminina Oscar Garcia Machado de Votorantim promoveu o 1º Concurso Literário, realizado entre 29 de junho e 24 de julho, nas categorias prosa e poesia com tema livre. Intitulado Mentes que Voam, teve como objetivo incentivar a leitura, a escrita, despertar valores fundamentais que ajudam a formar opinião, expressão e ampliar o vocabulário das participantes.

No total, 130 obras foram inscritas. Os organizadores premiaram as oito melhores.

O concurso, além de aspecto cultural, procurou envolver a valorização humana e o preceito fundamental ao processo de ressocialização. As ganhadoras receberam um certificado de mérito literário e um kit de higiene pessoal com uma mensagem motivacional.

Idealizadora do projeto

A idealizadora do concurso, Paula Balieiro, é Agente de Segurança Penitenciária há 12 anos. Responsável pelo núcleo de trabalho e formada em Ciências Biológicas, ela explicou que estimular o desenvolvimento das sentenciadas é uma realização. “A ideia do concurso surgiu por que quando eu era adolescente, participei de um e fui vencedora na categoria prosa. Eu resgatei as origens e criei o projeto aqui na unidade prisional. Todo o processo foi muito gratificante”, diz a ASP, que se considera amante da leitura e da escrita. Ela ainda acrescenta: “O objetivo foi atingido, as mentes realmente voaram e trouxeram histórias maravilhosas! Estou muito realizada e feliz”.

Nas entrelinhas de uma das poesias analisadas, é possível perceber que o objetivo da ação citado por Paula foi alcançado. A seguir, trechos da obra de uma sentenciada, intitulada “Eu mereço”:

Eu me perdoo por me sentir sem valor
E por acreditar que não merecia ser amada
Eu sou digna de ser amada e a vida me ama
Eu me perdoo por todas as vezes que critiquei a mim mesma
Eu mereço ser amada e a vida me ama

Eu me perdoo por ter me rejeitado e desistido de mim mesma
Eu mereço ser amada e a vida me ama
Eu me perdoo por ter duvidado e desacreditado de mim mesma
Eu mereço ser amada e a vida me ama

Uma das reeducandas vencedoras na categoria prosa também relatou sua satisfação ao participar do concurso, principalmente no período de pandemia. “Na situação que nos encontramos são essas atitudes que nos incentivam, que nos fazem voltar a acreditar que somos capazes”, revela.

A sentenciada contou ainda sobre o preconceito e as consequências que enfrenta, que segundo ela, são resultados das escolhas erradas que fez. “A gente aprende a acreditar que a vida não é ruim, ruim são as atitudes que, às vezes, tomamos e não valem a pena. Agradeço a organização por acreditar, estimular e dar oportunidade às pessoas que, para a sociedade não são nada, pois, às vezes, é assim que nos sentimos. Mas Deus sempre envia alguém para nos mostrar o quanto somos especiais e capazes de mudar a nossa história”, encerrou a vencedora.

Medidas preventivas

Desde que a pandemia começou, as visitas foram suspensas no sistema prisional como uma das medidas de prevenção à Covid-19. Por isso, a Coordenadoria de Reintegração Social e Cidadania (CRSC) criou o projeto Conexão Familiar, visando a estreitar os laços entre o cárcere e os familiares das pessoas que estão sem liberdade. O projeto consiste em visitas virtuais e permite aos sentenciados conversarem com seus parentes durante cinco minutos. As visitas acontecem aos fins de semana e podem ser agendadas pelo site da SAP. (com informações da Secretaria da Administração Penitenciária)

Comentários