Cultura

Gessinger aquece o público de Sorocaba com canções do Engenheiros do Hawaii

Cerca de 2 mil pessoas acompanharam o show no Sesc Sorocaba
Humberto Gessinger era o líder do grupo Engenheiros do Hawaii
Humberto Gessinger durante show em Sorocaba. Crédito da foto: Cortesia (28/7/2019)

Humberto Gessinger reviveu em Sorocaba canções do emblemático álbum “A revolta dos dândis”, lançado em 1987 pelo grupo gaúcho Engenheiros do Hawaii. O show da turnê “Ao vivo pra caramba” aqueceu a noite de domingo (28) dos cerca de 2 mil fãs presentes na unidade do Sesc. 

O cartão de apresentação de Gessinger em Sorocaba foi justamente com “Infinita Highway”. A faixa não era a música de trabalho do disco “A revolta dos dândis”, mas ganhou espaço nas rádios no final da década de 80 e ajudou a dar ainda mais projeção ao Engenheiros. 

Mais de três décadas depois, a força da canção foi comprovada no Sesc Sorocaba. Bastou Gessinger tocar os primeiros acordes do baixo junto com o guitarrista Felipe Rotta e o baterista Rafael Bisogno para o público soltar a voz. 

A plateia afinada veio a calhar. Gessinger desembarcou em Sorocaba com a voz querendo faltar. Em um determinado momento do show, ele agradeceu aos presentes por ajudá-lo a alcançar as notas mais altas. 

Tour paulista

Sorocaba foi a quarta cidade de um tour paulista do show “Ao vivo pra caramba”. Antes de cantar para os sorocabanos, Gessinger se apresentou em Presidente Prudente, Jundiaí e São Paulo. 

Show ocorreu no palco montado na unidade do Sesc Sorocaba. Crédito da foto: Cortesia (28/7/2019)

No Sesc Sorocaba, Gessinger fez um show de 1h33. Cantou 24 músicas, algumas da carreira solo e outras de quando liderava os Engenheiros do Hawaii. 

Multiinstrumentista

Durante toda a apresentação, Gessinger mostrou versatilidade ao tocar guitarra, violão, teclado, baixo e gaita. Antes de cantar “Pra ser sincero”, do álbum “O Papa é Pop”, de 1990, disse ser gostoso reviver certas músicas. 

No bis, Gessinger emendou três clássicos dos Engenheiros do Hawaii: “Somos quem podemos ser”, “Toda forma de poder” e “Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones”. E foi embora deixando a marca do rock gaúcho na Terra Rasgada. (Da Redação)

Leia mais  Morre a atriz Ruth de Souza, aos 98 anos, no Rio de Janeiro
Comentários