Cultura

Diversidade marca indicações ao Oscar

Pela primeira vez duas mulheres concorrerão à estatueta de “melhor direção”. Participação de negros e asiáticos também merece destaque
Diversidade marca indicações ao Oscar
“Mank” lidera a lista com 10 indicações no total. Crédito da foto: Divulgação

Num ano difícil para o cinema e para o mundo, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas faz história com várias indicações inéditas e algumas surpresas. Pela primeira vez, duas mulheres concorrem ao Oscar de melhor direção no mesmo ano: Chloé Zhao por “Nomadland” e Emerald Fennell por “Bela Vingança”. Chinesa, Zhao também é a primeira mulher não branca a disputar a estatueta na categoria. As duas são apenas a sexta e a sétima mulheres a concorrer por direção, depois de Lina Wertmüller (“Pasqualino Sete Belezas”, em 1977), Jane Campion (“O Piano”, 1993), Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, 2003), Kathryn Bigelow (“Guerra ao Terror”, 2009) e Greta Gerwig (“Lady Bird”, 2017). Bigelow é a única vencedora.

Chloé Zhao também é a primeira mulher a concorrer em quatro categorias no mesmo ano: filme, direção, edição e roteiro adaptado.

Outra surpresa da categoria melhor direção foi a indicação do dinamarquês Thomas Vinterberg por “Druk – Mais uma Rodada”, que também disputa o Oscar de filme internacional. Ele parece ter tomado o lugar de um suposto favorito, Aaron Sorkin, por “Os 7 de Chicago”. Lee Isaac Chung é o primeiro diretor de origem asiática nascido nos Estados Unidos a concorrer, por “Minari – Em Busca da Felicidade”. Completa a categoria David Fincher, em sua terceira disputa, por “Mank”.

Leia mais  ‘É Tudo Verdade’: Um mundo a ser explorado em dez dias

No anúncio de segunda-feira, o casal Priyanka Chopra Jonas e Nick Jonas revelou ainda que 9 entre os 20 indicados nas categorias de atuação são pessoas não brancas, um avanço e tanto em relação ao ano passado, quando houve apenas uma concorrente negra — Cynthia Erivo por Harriet. Steve Yeun é o primeiro americano de origem asiática a disputar o Oscar de melhor ator, por “Minari”. O inglês Riz Ahmed é o primeiro de origem paquistanesa e o primeiro muçulmano na categoria, por “O Som do Silêncio”. O favorito é Chadwick Boseman, o primeiro ator negro a concorrer postumamente, por “A Voz Suprema do Blues”. Dois veteranos completam a lista: Gary Oldman, por “Mank”, e Anthony Hopkins, por “Meu Pai”.

Na categoria melhor ator coadjuvante, a surpresa foi LaKeith Stanfield, que fez campanha como ator principal por “Judas e o Messias Negro”. Ele concorre à estatueta com seu companheiro de elenco Daniel Kaluuya, que parecia o favorito até aqui. A indicação dos dois como coadjuvantes levanta a questão de quem é o protagonista do longa. Leslie Odom Jr., de “Uma Noite em Miami”, é o terceiro ator negro na disputa – ele também foi indicado para o Oscar de melhor canção, por “Speak Now”. Os outros dois atores coadjuvantes na corrida são Paul Raci, por “O Som do Silêncio”, e Sacha Baron Cohen, por “Os 7 de Chicago”.

Leia mais  Bossa nova para bailar

Viola Davis (“A Voz Suprema do Blues”) e Andra Day (“Estados Unidos vs. Billie Holiday”) são concorrentes ao lado de três atrizes brancas: as inglesas Vanessa Kirby (“Pieces of a Woman”) e Carey Mulligan (“Bela Vingança”), e a americana Frances McDormand (“Nomadland”).

Diversidade marca indicações ao Oscar
Anthony Hopkins concorre a melhor ator por “Meu Pai”. Crédito da foto: Divulgação / Adoro Cinemas

“Mank” lidera em número de indicações, com dez. Curiosamente, o filme, que fala sobre o roteirista de Cidadão Kane e foi escrito por Jack Fincher, pai do diretor David Fincher, não concorre ao prêmio de roteiro original. Em seguida, com seis indicações cada um, aparecem “Meu Pai”, “Judas e o Messias Negro”, “Minari”, “Nomadland”, “O Som do Silêncio” e “Os 7 de Chicago”.

Como os cinemas ficaram fechados nos principais mercados americanos a maior parte do ano, apenas três dos oito concorrentes não foram lançados no streaming ou concomitantemente nas salas abertas e no streaming: Meu Pai, Minari e Bela Vingança. (Mariane Morisawa – Estadão Conteúdo)

Principais indicados:

Filme

“Meu Pai”
“Judas e o Messias Negro”
“Minari – Em Busca da Felicidade”
“Mank”
“Nomadland”
“Bela Vingança”
“O Som do Silêncio”
“Os 7 de Chicago”

Leia mais  Festival de hip hop aposta em representatividade no estado do Rio

Atriz

Viola Davis, por “A Voz Suprema do Blues”
Andra Day, por “Estados Unidos vs Billie Holiday”
Vanessa Kirby, por “Pieces of a Woman”
Frances McDormand, por “Nomadland”
Carey Mulligan, por “Bela Vingança”

Ator

Riz Ahmed, por “O Som do Silêncio”
Chadwick Boseman, por “A Voz Suprema do Blues”
Anthony Hopkins, por “Meu Pai”
Gary Oldman, por “Mank”
Steven Yeun, por “Minari – Em Busca da Felicidade”

Direção

Chloé Zhao, por “Nomadland”
Lee Isaac Chung, por “Minari – Em Busca da Felicidade”
Emerald Fennell, por “Bela Vingança”
David Fincher, por “Mank”
Thomas Vinterberg, por “Druk – Mais uma Rodada”

Comentários