Cultura

Artista multifacetado, Bruce Dickinson completa 60 anos

Bruce Dickinson é o líder do Iron Maiden e uma das vozes mais cultuadas do rock
Astro do rock, mas amante da aviação, Dickinson é piloto comercial e comanda até o Ed Force One – como é chamado o avião da banda. Crédito da foto: Reprodução / Facebook / Iron Maiden

Você escolhe: esgrimista, radialista, piloto de avião, empreendedor, cervejeiro, palestrante, compositor ou cantor. Bruce Dickinson, líder do Iron Maiden e uma das vozes mais cultuadas do rock, é um homem de muitos talentos e habilidades. E determinado. O músico, que completa 60 anos nesta terça (7), acumula histórias e experiências que vão além da música.

Filho de pais muito jovens, Paul Bruce Dickinson foi criado pelos avós até os cinco anos, na Inglaterra. A paixão pela aviação começou ainda na infância, quando adorava ouvir histórias do padrinho, que integrava a Força Aérea Real.

Estudou em colégio interno, usou a Força de Cadetes do Exército como válvula de escape, diz em biografia, e se inscreveu para aprender esgrima quando ainda era adolescente. Atleta, participou de competições regionais.

Leia mais  Palco Presente vai contemplar 70 espaços teatrais na Capital

Como músico, ganhou destaque no cenário inglês com a Samson, onde era conhecido por Bruce Bruce. Ambicioso e sem temer o sucesso, assumiu os vocais do Iron Maiden com a saída do polêmico Paul Di’Anno e já encarou o álbum “The Number Of The Beast” (1982), um dos maiores sucessos da banda. Investiu na carreira solo a partir de 1993, quando fez uma pausa de seis anos com o grupo -época em que os vocais ficaram por conta de Blaze Bayley.

Astro do rock, mas amante da aviação, Dickinson é piloto comercial e comanda até o Ed Force One – como é chamado o avião da banda. A empresa passou por uma crise, mas Bruce acompanhou de perto e deu a volta por cima.

Incansável, Bruce foi apresentador de programa de rádio da BBC. É roteirista e responsável pela trilha do filme de ficção “Chemical Wedding” (2008), inspirado no ocultista britânico Aleister Crowley.

Ainda fora dos palcos, desenvolveu a Trooper, cerveja do Iron Maiden inspirada em single homônimo, em parceria com a fabricante inglesa Robinsons. Bem sucedido, começou a dar palestras pelo mundo sobre empreendedorismo e negócios.

Leia mais  Setor artístico vai à Câmara de Sorocaba pedir ajuda

Passou pelo Brasil em algumas oportunidades. Em 2014 falou aos participantes da Campus Party. Em maio passado, esteve no VTEX Day, evento em São Paulo para profissionais de ecommerce. Aproveitou a viagem para visitar a fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP), onde autografou uma aeronave.

Sem se intimidar com desafios, Bruce superou um câncer de pescoço e cabeça, consequência de um HPV, diagnosticado em dezembro de 2014. Em “Bruce Dickinson, uma autobiografia – Para que serve esse botão?”, lançada recentemente, o músico relata ter enfrentado a doença e os meses de tratamento intenso até a confirmação da cura.

Uma série de projetos faz parte da rotina do roqueiro que conduz multidões em shows e homem de negócios que não tem tempo a perder. Como Bruce administra tanta coisa, com tanta determinação? Em 2014, em entrevista antes de evento de tecnologia em São Paulo, ele afirmou que para se especializar em áreas tão diferentes, o importante é dedicação. “Você precisa aprender rápido o básico do negócio e prover um serviço seu, diferente dos outros.” Para ele, o importante é ter uma boa ideia e trabalhar duro. “Você pode ensinar qualquer coisa para uma pessoa, mas dedicação, não”, diz. (Folhapress)

Comentários