Covid-19 Exterior

Espanha registra 832 mortes por coronavírus em 24 horas

Número é novo recorde diário no país, que eleva o total de óbitos a 5.690, o segundo maior balanço do mundo
Para prevenir a propagação da doença, a população espanhola completa neste sábado duas semanas de confinamento. Crédito da foto: AFP.

O ministério espanhol da Saúde anunciou neste sábado (28) que 832 pessoas morreram nas últimas 24 horas vítimas do novo coronavírus. O número é novo recorde diário no país, que eleva o total de óbitos a 5.690, o segundo maior balanço do mundo.

A Espanha é atualmente o segundo país do mundo com o maior número de mortes provocadas pelo coronavírus, atrás apenas da Itália, que na sexta-feira anunciou um total de 9.134 mortos.

Apesar do recorde de vítimas fatais registrado neste sábado, o percentual de aumento está em queda na Espanha desde quarta-feira, quando atingiu um vertiginoso 27%.

A Espanha também registrou mais 8.189 contágios confirmados de coronavírus, o que eleva o número de casos oficialmente diagnosticados a 72.248, com um aumento percentual que também mostra uma tendência de baixa.

O número de pessoas curadas também registrou forte alta, como nos últimos dias (31,3% em 24 horas) e agora são 12.285, de acordo com o boletim diário divulgado pelo ministério da Saúde.
As regiões mais afetadas são Madri, com 2.757 mortos, quase metade do total, e Catalunha, com 1.070 vítimas fatais.

Leia mais  Ministério da Saúde registra 602 novos óbitos pela covid-19; total vai a 64.867

A taxa de mortalidade em Madri é tamanha que a partir de segunda-feira a cidade habilitará um segundo necrotério em uma instalação pública que estava abandonada. O governo local já havia instalado um necrotério em uma pista de patinação de um centro comercial.

Além disso, o exército e as autoridades locais criaram um hospital de campanha com capacidade máxima para 5.500 leitos no Ifema, um grande centro de convenções da capital espanhola.
Para prevenir a propagação da doença, a população espanhola completa neste sábado duas semanas de confinamento, que deve prosseguir no mínimo até 11 de abril.

Comentários