Canal 1

Autores e atores agora trabalham com linha direta

Autores e Atores agora trabalham com linha direta
Crédito da foto: Victor Pollak / Globo

Flávio Ricco, com colaboração de José Carlos Nery

Existiu um momento, e isso lá no passado, em que os atores só encontravam ou tinham oportunidade de conversar com os autores de novelas nas coletivas com a imprensa ou festas de lançamento. Depois disso, para a maioria, era praticamente impossível qualquer contato. A própria emissora se encarregava de “proteger” os escritores, para que pudessem trabalhar tranquilamente, em suas próprias casas ou em flats, no eixo Rio-São Paulo.

Conseguir o telefone de um autor era missão digna de 007. Sugerir mudanças no perfil do personagem, então, mais complicado ainda. Daí, aqueles que tentavam dar o popular jeitinho, introduzir “cacos” sem autorização, eram repreendidos e chegavam até a sumir da trama. “Já matei ator que não falava mais o texto direito…, que tentava colocar intenções dele”, contou Walcyr Carrasco, certa vez. E desapareceu com Claudia Raia — “explodi” a personagem, em outra, “mas não por causa dela”, justificou.

Leia mais  Globo confirma volta do ‘The Voice Brasil’ e marca estreia

Tá bom. Só que os tempos agora são outros e, com certa ajuda da internet e da direção de novela, verifica-se uma maior interação entre os dois lados: ator-autor. Paolla Oliveira (foto) declarou inclusive que essa “linha direta” foi fundamental para o sucesso da digital influencer Vivi Guedes em “A dona do pedaço”, trabalho também assinado por Walcyr.

A propósito – Independentemente da quarentena, Paolla Oliveira já havia negociado com a Globo um bom período longe das novelas por causa de seus últimos personagens marcantes. Para todos os efeitos ela está “dando um tempo”.

Casos diferentes – Oscar Magrini, como Noé, conseguiu encerrar a sua participação em “Gênesis”, antes mesmo da suspensão dos trabalhos por causa da pandemia. Já Flávio Galvão, Deus, aguarda a retomada de gravações.

Lady Night – O início de gravações da nova temporada do “Lady night”, com Tatá Werneck, para exibição no Multishow e, depois, Globo, acaba de ser confirmado para agosto. Produção da Floresta.

Leia mais  Combinado assim

Novo normal – Por causa das limitações impostas pelo novo coronavírus, a programação de fim de ano das emissoras de TV, sempre recheada de musicais gravados em casas de shows ou estádios, será bem diferente este ano. As que não recorrerem a reprises, certamente investirão em “lives”.

Vai entender – Esse negócio de “live” é uma coisa tão maluca, que há poucos dias, Hariany Almeida (ex-“BBB” e ex-“Fazenda”) era acompanhada por mais de 12 mil pessoas. E ela lá, fazendo a sua maquiagem, mexendo no cabelo e pedindo para ninguém fazer “pergunta difícil”.

Esquisito – Enquanto isso, “lives” promovidas por autores de novelas, figuras da cultura e de outros segmentos, em muitos casos, não conseguem atrair 50 pessoas. Trata-se de um universo que realmente precisa ser explicado.

Complicado – “Amor de mãe” voltará ao ar em outubro e ficará aproximadamente um mês e meio no ar. Tudo indica mesmo que não haverá tempo para a Globo emendar em “Um lugar ao sol”, de Lícia Manzo. Outra reprise parece ser o caminho natural.

Comentários