fbpx
Brasil

Toffoli pede que Justiça preste informações sobre inquérito de sargento preso

A defesa do segundo-sargento pediu que a Corte determine 'imediato acesso aos autos' de seu inquérito
Presidente do STF, ministro Dias Toffoli. Crédito da foto: Sergio Lima/ AFP

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, pediu nesta quarta-feira (17) que a Justiça Militar informe, “com urgência”, se foi fornecido à defesa do segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues o número do inquérito aberto contra ele, que tramita sob sigilo. Rodrigues, preso na Espanha no último dia 25 portando 39 kg de cocaína, é comissário de bordo e fazia parte de uma equipe de 21 militares que prestava apoio à comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na reunião do G-20, no Japão.

Ao STF, a defesa do segundo-sargento pediu que a Corte determine ‘imediato acesso aos autos’ de seu inquérito. Como está cuidando dos pedidos que chegam ao STF durante o recesso judiciário, Toffoli despachou nesta quarta pedindo informações sobre o caso. “Oficie-se ao Juízo da 2ª Auditoria Militar da 11ª Circunscrição da Justiça Militar para que informe ao Supremo Tribunal Federal, com urgência”, decidiu.

Leia mais  ANP sugere que petrolíferas financiem estudos sobre manchas de óleo

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs relatou no STF que solicitou em 8 de julho, por e-mail enviado ao Comando da Aeronáutica em Brasília, o número do processo. “A resposta veio em 9 de julho de 2019 pelo encarregado do IPM, Cel Av Lincoln, limitando-se a informar a circunscrição e a auditoria, bem como o nome do juiz-auditor, mas não informou o número dos autos”, narrou a defesa. (Estadão Conteúdo)

Comentários