Brasil

Temer avalia entregar senhas para frear entrada de venezuelanos em Roraima

O presidente afirmou que hoje ingressam em território brasileiro entre 700 e 800 venezuelanos diariamente
Temer classifica como “inadmissível” a situação da Venezuela – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (29) que o governo pode limitar a entrada de venezuelanos no Brasil por meio do uso de senhas. Em entrevista à Radio Jornal, do Recife, o presidente admitiu ter sido discutido em reunião na terça (28) um mecanismo para reduzir o número de migrantes que cruzam a fronteira diariamente, atualmente na casa das centenas.

“Eles pensam em, quem sabe, colocar senhas de maneira que entrem 100, 150, 200 por dia e cada dia entre um pouco mais para organizar essas entradas”, disse Temer. O presidente afirmou que hoje ingressam em território brasileiro entre 700 e 800 venezuelanos diariamente e que isso está criando problemas para a vacinação.

Leia mais  Número de venezuelanos que pedem asilo é 5,5 vezes maior que o de sírios

Temer classifica como “inadmissível” a situação da Venezuela e disse estar em contato com presidentes de outros países como Colômbia, Peru e Equador, que também têm recebido refugiados. “Há tempos propusemos ajuda humanitária com alimentos e remédios e o governo recusou. O governo recusa lá e os venezuelanos vem para cá. O ideal para nós é que eles recebessem nossa ajuda humanitária e pudessem permanecer [em seu país]”, afirmou Temer.

O presidente ressaltou, contudo, que a política do Brasil é de acolhimento dos refugiados, o que significa que a fronteira não deve ser fechada, como solicita a governadora Suely Campos (PP). Temer autorizou nesta terça-feira (28) a atuação das Forças Armadas em Roraima, que enfrenta uma crise migratória com o fluxo de venezuelanos que fogem da crise no país de Nicolás Maduro.

A partir desta quarta, militares podem atuar nas faixas de fronteira norte e leste e também nas rodovias federais. O decreto, a princípio, terá validade de duas semanas, até o dia 12 de setembro. Desde 2015, mais de 120 mil migrantes cruzaram a fronteira com o Brasil para fugir das dificuldades enfrentadas na Venezuela, onde falta comida e remédios e a inflação deve bater em 1.000.000% neste ano, segundo o FMI.

Leia mais  Boatos alimentam conflito com venezuelanos em Roraima

O governo afirma que apesar do número elevado de venezuelanos, alguns já deixaram o território nacional e foram para outros países. Permanece no país cerca de metade dos que chegaram, a maioria deles ainda em Roraima, dado o atraso da política de interiorização proposta pelo governo. Diante do volume de recém-chegados a um estado de 520 mil pessoas, a governadora de Roraima reclama de falta de recursos para atender a demanda em segurança pública, saúde e educação.

O estado também enfrenta aumento nos casos de xenofobia, com confrontos e perseguição dos venezuelanos por brasileiros. Segundo a ONU, a crise venezuelana já se aproxima, em termos de emergência, do êxodo de africanos e povos do Oriente Médio pelo mar mediterrâneo. Cerca de 2,3 milhões de pessoas deixaram o país — ou 7,5% da população –, sendo que dois terços desse contingente o fizeram após 2015. (Talita Fernandes – Folhapress)

Comentários