Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Saúde volta a pedir reserva

25 de Fevereiro de 2021

Saúde volta a pedir reserva Crédito da foto: Fernando Rezende (19/1/2021)

O Ministério da Saúde recuou e voltou a orientar que metade do novo lote da Coronavac seja reservada para garantir a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19. No dia 19, o general Eduardo Pazuello disse a prefeitos que não seria mais necessário reter vacinas, pois o fluxo de entrega de novos lotes permitiria repor estoques a tempo de completar a imunização.

O intervalo recomendado para a aplicação das doses da farmacêutica chinesa Sinovac, com doses distribuídas no Brasil pelo Instituto Butantan, é de 21 dias. Prefeitos e governadores vinham cobrando que o Ministério da Saúde confirmasse a orientação de Pazuello em nota técnica, mas a pasta manteve as recomendações anteriores.

Segundo apurou o Estadão, a área técnica foi surpreendida pela promessa do general aos ministros e não quis validar a nova regra, pois há risco de que novas vacinas não cheguem a tempo da aplicação da segunda dose.

“Tendo em vista o intervalo entre a D1 e D2 (duas a quatro semanas), e considerando que ainda não há um fluxo de produção regular da vacina, orienta-se que a D2 seja reservada para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação”, diz informe técnico da pasta.

A recomendação da Saúde se aplica a 1,2 milhão de doses da Coronavac, com distribuição entre o fim deste mês e o começo de março. (Mateus Vargas - Estadão Conteúdo)