Brasil

Programa Mais Médicos não precisava de profissionais cubanos

Antagonista diz que foi lorota a história de que o Brasil precisava de Cuba para oferecer assistência médica à população
Bolsonaro diz que o programa Mais Médicos “destruiu famílias” cubanas. Crédito da foto: Fernando Souza / AFP

Mais de 92% das vagas antes ocupadas por médicos cubanos já foram preenchidas, e por médicos com diploma reconhecido. De acordo com balanço do Ministério da Saúde divulgado na sexta-feira (23), são 25.901 inscritos com registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) no Brasil, sendo 17.519 já efetivados, 7.871 que estão disponíveis para atuação imediata e o restante aguardando confirmação de documentos.

De acordo com o site O Antagonista, diante dos números apresentados pelo Ministério da Saúde e a rapidez com que as vagas foram preenchidas, foi lorota a história de que o Brasil precisava de Cuba para oferecer assistência médica à população. Ainda, conforme o site, teria sido apenas uma forma de o governo do PT transferir mais de 7 bilhões de reais à ditadura comunista de Cuba, um valor maior do que o prejuízo oficial da Petrobras com o petrolão.

O Antagonista informa, também, que a imprensa que disse que faltariam médicos para os pobres, por causa da oposição de Bolsonaro ao acordo com Cuba, tem de pedir desculpa; e o PT tem de ser investigado por mais esse esquema, que também tirou empregos de milhares de brasileiros.

Leia mais  MPT reafirma que Ford só pode demitir após negociação coletiva

Neste sábado (24), durante coletiva à imprensa, após participar de uma cerimônia de aniversário de 73 anos da brigada da Infantaria de Paraquedista, na Vila Militar, em Deodoro, zona oeste do Rio, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse que o programa Mais Médicos “destruiu famílias” cubanas também.

“Há muitos cubanos que têm famílias lá em Cuba e já constituíram famílias aqui. Esse projeto destruiu famílias. Também tem muita mulher cubana que está aqui há um ano sem ver o seu filho. Isso é mais do que tortura, é um ato criminoso praticado pelo governo de Cuba e pelo desgoverno do PT”, afirma.

Bolsonaro afirmou que o Brasil não pode deixar pessoas vivendo em regime “de semiescravidão”, referindo-se ao programa. “Qualquer um de fora que trabalhe aqui tem de ser submetido às mesmas leis que vocês. Não podem confiscar salários, afastar famílias”, declara.

O presidente eleito ressaltou também que o governo do presidente Michel Temer (MDB) está fazendo uma seleção para preencher as vagas deixadas por médicos cubanos. “Praticamente, já temos o número suficiente”, afirma.

Leia mais  Onyx é exonerado só para indicar emendas e volta na terça-feira

Na quinta-feira (22), os médicos cubanos começaram a deixar o Brasil em voos de volta para Havana, a partir do Aeroporto de Brasília. (Da Redação, com informações do O Antagonista e Estadão Conteúdo)

Comentários