Brasil Eleições 2020

Presidente do TSE suspende 1º e 2º turnos das eleições municipais em Macapá

Decisão vale apenas para a capital do Estado "até que se restabeleçam as condições materiais e técnicas para a realização do pleito, com segurança da população"
Em Sorocaba, há 205 mulheres candidatas
Ministros do TSE devem referendar decisão na manhã desta quinta-feira. Crédito da foto: Marcello Casal Jr. / Arquivo Agência Brasil (26/9/2020)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, decidiu na noite de quarta-feira (11) adiar a realização das eleições em Macapá. A decisão de Barroso foi tomada após conversa reservada com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que defendeu a mudança na data devido aos efeitos provocados pela falta de fornecimento de energia na região. Barroso também consultou os demais ministros do TSE, que devem referendar a sua decisão na sessão do tribunal marcada para a manhã desta quinta-feira (12).

Alcolumbre é um dos principais cabos eleitorais da candidatura de seu irmão, Josiel Alcolumbre (DEM), que disputa a Prefeitura da capital do Estado. Segundo a última pesquisa Ibope, divulgada nesta quarta-feira, Josiel caiu nove pontos porcentuais em relação ao último levantamento, mas ainda lidera a corrida, com 26% das intenções de voto.

Por outro lado, Patrícia Ferraz (Podemos) e Dr. Furlan (Cidadania), que aparecem em segundo e terceiro lugar na mesma pesquisa, oscilaram positivamente – aparecem com 18% e 17% da intenção de votos, respectivamente.

Ao todo, 13 municípios do Estado – incluindo Macapá – ainda sofrem com problemas de fornecimento de energia. A decisão de Barroso, que vale apenas para a capital do Estado, suspende as eleições municipais – tanto o primeiro quanto o segundo turno – “até que se restabeleçam as condições materiais e técnicas para a realização do pleito, com segurança da população”.

“É fato notório que, a poucos dias da eleição, a população do Estado do Amapá se viu atingida por infortúnio de dimensões catastróficas. No dia 3.11.2020, um incêndio nas torres das Subestações de energia provocou um ‘apagão’ em praticamente todo o Estado. Houve, na sequência, declaração de situação de emergência pelo governo estadual e decretação de estado de calamidade pública no município de Macapá”, observou o ministro

Leia mais  Paraíba vai decretar toque de recolher para conter Covid-19

Barroso destacou que entrou em contato com a Polícia Federal, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e as Forças Armadas para avaliar a situação local. “Os contatos realizados permitiram verificar a existência de consenso acerca dos riscos da realização das eleições neste domingo, em razão da instabilidade do fornecimento da energia, do aumento expressivo da criminalidade e de sinais de convulsão social”, apontou o ministro.

“Nesse contexto, não é legítimo exigir que a população de Macapá seja submetida ao sacrifício extremo de ser obrigada a comparecer às urnas em situação de calamidade pública, reconhecida por decreto municipal, e, ainda, de risco à segurança, informado pelo TRE/AP, para apenas depois ser possível à Justiça Eleitoral remarcar a data da votação”, concluiu.

Adiamento

Na noite de quarta-feira, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) pediu o adiamento do pleito apenas em Macapá. Em ofício enviado a Barroso, o presidente do TRE-AP, o desembargador Rommel Araújo, disse que foi informado por representantes da Abin e de áreas de inteligência do Exército e da Polícia Rodoviária Federal que “várias ações de vandalismo, algumas delas dirigidas e coordenadas por membros de facções criminosas, estão acontecendo na Capital”.

“Com efeito, através de grupos de WhatsApp, parte da população, que sofre com o desabastecimento de água e falta de energia elétrica, está sendo incitada à realização de queima de pneus em via pública, bem como a depredarem o patrimônio público”, ressaltou o desembargador.

Leia mais  Pazuello diz para prefeitos não reterem vacinas até 2ª dose

“Convém destacar que no próximo domingo, várias manifestações estão sendo convocadas para demonstração de desagrado em frente aos locais de votação, o que colocaria em risco os eleitores da Capital”, alertou Rommel.

Ao todo, o Amapá tem cerca de 517 mil habitantes habilitados para votar nestas eleições. A capital do Estado é a única das localidades na região onde pode haver segundo turno, por ter mais de 200 mil habitantes. De acordo com o TRE do Amapá, “com o acolhimento do pedido de adiamento, a força policial que seria utilizada em Macapá, será distribuída aos demais municípios, inclusive Santana e Mazagão, que integram a região metropolitana da Capital”.

“Quanto aos demais municípios, que terão energia 24 horas – de acordo com a Companhia de Eletricidade do Amapá – CEA – as eleições transcorrerão normalmente no dia 15 de novembro, próximo domingo”, afirmou o TRE, em nota.

Incêndio

Na terça-feira retrasada, um incêndio em uma subestação de Macapá causou um apagão e comprometeu o fornecimento de energia na região. Desde então, a possibilidade de adiamento das eleições entrou no radar dos candidatos a prefeito e vereador nos 16 municípios do Estado. Na época, Rommel chegou a afirmar ter garantias de que haveria energia nos locais de votação durante as eleições municipais. (Estadão Conteúdo)

Comentários