Brasil

PM compra 40 mil pistolas semiautomáticas para enfrentar bandidos

Armamento será adquirido da fabricante austríaca Glock, ao custo de R$ 891,66 a unidade. O investimento total é de quase R$ 36 milhões
Novas armas vão reforçar a segurança e as condições de enfrentamento ao crime em São Paulo
Novas armas vão reforçar a segurança e as condições de enfrentamento ao crime pela Polícia Militar em São Paulo. Crédito da foto; Divulgação / GESP

 

A Polícia Militar de São Paulo vai adquirir 40 mil pistolas semiautomáticas para reforçar a segurança no Estado. Além disso, de acordo com o comando da corporação, pretende-se melhorar as condições de enfrentamento ao crime no território paulista.

Conforme o processo licitatório, está previsto o pagamento de R$ 891,66 à empresa austríaca Glock pelo fornecimento de cada pistola calibre .40. Ainda de acordo com a PM, o pregão teve 28 lances. Por fim, o valor estipulado pelo licitante vai representar uma economia de R$ 53 milhões aos cofres públicos.

Leia mais  Polícia Militar de São Paulo compra pistolas, metralhadoras e fuzis

 

Inicialmente, o tenente coronel Marco Aurélio Valério, do Centro de Material Bélico da Polícia Militar, previa custos mais elevados. “Nossa expectativa era pagar até R$ 2 mil por cada unidade”, comenta. No entanto, com o preço definido em R$ 891,66 a economia passa de R$ 53 milhões.

Governo de São Paulo vai pagar quase R$ 36 milhões à empresa austríaca Glock por 40 mil pistolas semiautomáticas .40
Governo de São Paulo vai pagar quase R$ 36 milhões à empresa austríaca Glock por 40 mil pistolas semiautomáticas .40. Crédito da foto: Divulgação / GESP

 

Disputa entre fabricantes

“A competição dos processos licitatórios é inegavelmente saudável e os resultados demonstram isso de forma inequívoca”, diz Valério. Com efeito, a disputa para fornecer armamentos para a Polícia Militar envolveu dois dos fabricantes mais conceituados do mercado de pistolas. O tenente coronel cita as marcas Glock (Áustria) e Beretta (Itália), finalistas do processo de licitação.

Essas propostas foram apresentadas em sessão pública realizada nessa quarta-feira (21). Agora a empresa austríaca terá dez dias para apresentar amostras que serão submetidas a testes de qualificação. Ainda assim, os participantes e interessados serão informados, por meio de publicação em Diário Oficial, da data do início dos testes.

O processo licitatório prevê, além disso, que, após a assinatura do contrato, a fabricante entregue 8 mil pistolas em até 90 dias. Por fim, o acordo estipula que a totalidade das pistolas adquiridas seja fornecida em até oito meses após a homologação.

Projeto do governo paulista prevê a aquisição de outros tipos de armamentos ainda neste ano
Projeto do governo paulista prevê a aquisição de outros tipos de armamentos ainda neste ano. Crédito da foto: / Divulgação / GESP

 

Modernização da Polícia

As aquisições fazem parte de um programa de modernização estruturado pelo governo paulista. O projeto prevê, por exemplo, 11 licitações internacionais para compra de armamentos com tecnologia de ponta para a PM.

Para setembro está prevista a abertura de outros três processos licitatórios que serão responsáveis pela aquisição de 300 fuzis calibre .556; 1.000 fuzis calibre .762 e 1.000 armas de incapacitação neuro-muscular. “Esta política de segurança objetiva que a Polícia Militar do Estado de São Paulo seja uma referência internacional tanto na adoção de boas práticas quanto na qualidade de seus equipamentos”, diz o tenente coronel Marco Aurélio Valério.

Pistolas semiautomáticas

Armas semiautomáticas são diversos gêneros de armas de fogo que atiram um projétil a cada aperto do gatilho. Assim, podem usar a energia do disparo para recarregar um novo cartucho. Igualmente, pode ter um sistema mecânico próprio. Seu principal uso se deu pelos revólveres com tambor.

 

(Da Redação com Secretaria Estadual de Segurança Pública)

Veja como funciona uma pistola semiautomátiva.

Comentários