Brasil

Pazuello afirma que plano nacional de imunização começa nesta quarta-feira (20)

A distribuição das doses terá início nesta segunda (18), às 7h, com o apoio do Ministério da Defesa
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em entrevista coletiva no Instituto de Traumatologia e Ortopedia no Rio de Janeiro. Crédito da foto: Agência Brasil.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse na tarde deste domingo (17), que o ministério planeja para quarta-feira (20), às 10h, o início do plano nacional de imunização contra a Covid-19, para grupos prioritários. Segundo ele, os verdadeiros executantes da vacina serão os municípios. A distribuição das doses terá início nesta segunda (18)a, às 7h, com o apoio do Ministério da Defesa, que ficará responsável pelos deslocamentos aéreos, segundo informou o ministro.

Segundo o ministro, serão inicialmente 3 milhões de pessoas a serem vacinadas, com duas doses cada uma, totalizando 6 milhões de doses da CoronaVac, produzida pela empresa chinesa Sinovac e o Instituto Butantan. O uso emergencial da CoronaVac foi aprovado hoje (17) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O ministro abriu a coletiva se solidarizando com as famílias das vítimas e agradecendo aos profissionais de saúde na linha de frente da pandemia. “Quero começar me solidarizando com cada família que perdeu um ente querido. Já passamos de 200 mil mortes em nosso país. E agradecer a todos os profissionais de saúde, que já salvaram mais de 7 milhões de pessoas vítimas da covid-19. Hoje o Brasil passa por um momento de grande avanço, esperança e conforto aos brasileiros, que aguardavam por esta notícia. Está dado o primeiro passo para a maior campanha de vacinação do mundo contra o coronavírus”, disse Pazuello.

Leia mais  Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

O ministro afirmou que o importante é garantir a todos os estados as doses da vacina, em igualdade de condições, respeitando a questão da gravidade local. “O Ministério da Saúde tem em mãos, neste instante, as vacinas, tanto do Butantan quanto da AstraZeneca [em parceria com a Fiocruz]. E nós poderíamos, num ato simbólico, ou numa jogada de marketing, iniciar a primeira dose em uma pessoa. Mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso”, frisou o ministro.

Pazzuelo destacou que existe um pacto federativo histórico entre a União e os estados, que deverá ser respeitado, com a saúde da população colocada acima de tudo. “Quebrar essa pactuação é desprezar a igualdade entre os estados e todos os brasileiros. É desprezar a lealdade federativa. Senhores governadores, não permitam movimentos políticos eleitoreiros se aproveitando da vacinação nos seus estados. O único objetivo, neste momento, tem que ser o de salvar mais vidas e não fazer propaganda própria”, destacou o ministro.

Leia mais  Covid: Imunidade pós-vacina pode demorar semanas, dizem especialistas

Em São Paulo, o governo estadual iniciou hoje a vacinação contra o novo coronavírus, imunizando uma enfermeira que trabalha na linha de frente contra o vírus.

Distribuição

Pazuello comentou como deverá ser o processo de vacinação, a partir de quarta-feira, sendo que a responsabilidade da operação logística será dos municípios, definindo quem são os grupos prioritários a receberem as primeiras doses. Segundo o ministro, as doses começarão a ser entregues aos estados a partir das 7h desta segunda-feira (18), com apoio do Ministério da Defesa, com deslocamento aéreo.

“Os grupos prioritários são mais controlados. Idosos em instalações de longa duração, que a vacina vai até eles, profissionais de saúde que estão na linha de frente, em que forma de comunicação é em outro nível, vai no aplicativo Conecte SUS, onde faz a inscrição para a vacinação, os índios aldeados, [que a vacinação] vai até a aldeia. Então esses grupos iniciais são mais simples de serem trabalhados. Isso vai dando tempo para a estrutura se organizar para os públicos maiores. Neste momento, os prioritários são muito mais simples de se fazer. E isso está no plano de execução do município, que executa a vacinação”, explicou o ministro.

“A partir da chegada de doses em São Paulo ou qualquer estado, há a distribuição para os municípios”, disse Pazuello, observando também que “cada estado tem seu plano de logística para distribuição de vacinas”. “Amanhã, às 7 horas, farei entrega simbólica de vacinas aos estados”, acrescentou o ministro. Ele indicou também que “regiões com maior ocorrência podem receber mais doses proporcionalmente”.

Leia mais  Simulação de vacina pode levar à cadeia

“Determinei inclusão de ‘taxa de risco’ dentro da proposta de distribuição de vacinas”, observou o ministro. “Às vezes, uma vacina é mais interessante em algum lugar e outra em outro lugar. Vacinas são diferentes, têm eficácias diferentes.” (Agência Brasil)

Comentários