Brasil

No 7º dia após desastre, esperança diminui e número de vítimas aumenta

Número de mortos chegou a 99
desastre Brumadinho
Os trabalhos de resgate começam diariamente, às 4h – Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

 

Atualizada às 13h50

No sétimo dia de buscas por vítimas do desastre causado pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, as autoridades contabilizam 99 mortos, dos quais 67 já foram identificados, e 259 desaparecidos. Além disso, 192 pessoas foram resgatadas e outras 393 já foram localizadas.  O número de vítimas aumenta na proporção que a esperança diminui. Bombeiros experientes relatam que há dificuldades devido ao mar de lama que tomou conta da região.

Os trabalhos de resgate começam diariamente, por volta das 4h, e vão até a noite. A barragem B6, com água, segue monitorada 24 horas, sem risco de rompimento. Um plano de contingência, entretanto, foi elaborado de forma preventiva.

Barragens

A Defesa Civil de Minas Gerais divulgou nesta quarta (30) um “plano de contingência” no caso de riscos relacionados às barragens da região de Brumadinho que não se romperam. Mas, de acordo com o porta-voz da corporação, tenente-coronel Flávio Godinho, a medida é preventiva, pois não há barragens com risco de rompimento.

Leia mais  TJ pretende acelerar concessão de medidas protetivas às mulheres

 

Segundo Godinho, as demais barragens estão no nível de segurança 1. O risco aumenta quando a classificação passa para níveis superiores, como 2 ou 3. Contudo, acrescentou o porta-voz, não há situações desse tipo ainda na região.

Em nota, a Defesa Civil designou locais para os quais moradores e pessoas que estiverem na área devem se dirigir em uma situação hipotética. “A Defesa Civil divulga pontos como medida preventiva em caso de elevação do risco”, destacou o comunicado.

“As polícia Civil e Militar estão monitorando as barragens em tempo real para, em caso de mudança na situação, haja aviso por meio de sirenes para que a população possa se deslocar de forma organizada e ordeira”, afirmou Godinho.

Israelenses devem deixar operação de resgate

Nesta quarta-feira (30) o Palácio do Planalto foi informado que os militares das Forças de Defesa de Israel (FDI) – que chegaram ao Brasil no domingo para ajudar nos trabalhos – devem retornar a seu país nesta quinta-feira (31), às 15 horas.

Leia mais  ProUni oferece mais de 200 mil bolsas de estudo a partir desta quinta-feira

 

O governo brasileiro não soube explicar exatamente as razões do retorno dos militares. A divisão de protagonismo de trabalho no socorro às vítimas da tragédia de Brumadinho tem causado vários “curtos-circuitos” entre o governo de Minas e as Forças Armadas. Essas colocaram um contingente de mil homens, desde sexta-feira, para auxiliar no resgate de sobreviventes. Só que não houve solicitação de uso do grupo. O governo de Minas informou que não havia necessidade daquele tipo de apoio e, se precisasse, solicitaria. A avaliação de militares é de que o salvamento de Brumadinho “está muito politizado”.

Os cerca de 130 soldados e oficiais israelenses começaram a trabalhar na segunda-feira (28) e logo foram informados de declarações do comandante das operações de resgate, tenente-coronel Eduardo Ângelo, de que os equipamentos trazidos de Israel para Brumadinho (MG) não eram efetivos para esse tipo de desastre.

Questionado, o governo de Minas Gerais esclareceu que “não houve recusa de colaboração de militares” e tropas federais poderão ser solicitadas “caso haja necessidade”. (Com informações de Tânia Monteiro – Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Comentários