Brasil Covid-19

Ministério pretende comprar vacinas da Pfizer e da Janssen

Ministério pretende comprar vacinas da Pfizer e da Janssen
A dispensa de licitação para as compras foi publicada ontem. Crédito da foto: Chandan Khanna / AFP

O governo federal pretende adquirir 38 milhões de doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 e 100 milhões de doses da vacina do laboratório Pfizer, a serem entregues até dezembro de 2021. O Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde publicou na noite de ontem, em edição extra do Diário Oficial da União, os avisos de dispensa de licitação para as compras.

Mais cedo, a Pasta já tinha informado que iria comprar as vacinas da Pfizer e da Janssen, após meses rejeitando propostas destas empresas. O governo tem sido pressionado para ampliar a oferta de imunizantes, após a explosão de novos casos de Covid-19 com internações e colapso de sistemas de saúde em todo o País.

A aprovação do projeto de lei 534/2021 na noite de terça-feira pela Câmara retirou os entraves jurídicos que haviam para a aquisição dessas vacinas. O PL autoriza a União a assumir, em contratos com fabricantes de imunizantes contra o vírus, a responsabilidade civil por possíveis eventos adversos pós-vacinação. Essa é uma exigência da Pfizer e da Janssen que o governo vinha apontando como abusiva.

Leia mais  Polícia Federal confisca aviões do tráfico internacional

Imunizados

O número de pessoas vacinadas com a primeira dose contra a Covid-19 no Brasil chegou ontem a 7.351.265, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa, o que representa só 3,47% da população. Como comparação, os EUA relatam 78 milhões de imunizados.

A previsão de compra de Pazuello também pode esfriar articulações de prefeitos e governadores para a compra de produtos em consórcio (mais informações ao lado). A previsão agora é de compra de 99 milhões de doses, e 9 milhões chegariam ao País até junho, 30 milhões até setembro e o restante até o fim do ano. Nos últimos meses, o titular da Saúde tem sido pressionado a avançar nas negociações com as farmacêuticas e a ampliar a lista de vacinas (Estadão Conteúdo)

Comentários