Brasil Covid-19

Ministério apura mortes de crianças indígenas de Roraima por covid-19

Equipes reforçam atendimento na Terra Indígena Yanomami por 30 dias
Barroso manda governo cuidar de indígenas
Governo federal vetou projeto de lei sobre saúde dos índios na pandemia. Crédito da foto: Nelson Almeida / AFP

Duas equipes de profissionais da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) vão reforçar o atendimento às comunidades Kataroa e Waphuta, na Terra Indígena Yanomami, pelos próximos 30 dias.

Os médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem chegaram a Alto Alegre, no norte de Roraima, nessa terça-feira (2). Além de atender à população e participar da campanha de vacinação contra a covid-19, os especialistas vão tentar esclarecer as supostas mortes indígenas pela ação do novo coronavírus.

Segundo o Conselho Distrital de Saúde Indígena Sanitário Yanomami e Ye´kuana (Condisi-YY), órgão colegiado vinculado ao Distrito Sanitário Especial (Dsei) Yanomami, ao menos dez crianças das duas comunidades, com idades de 1 a 5 anos, já morreram este ano com a suspeita de terem sido infectadas pelo novo coronavírus. Em um ofício que enviou a Sesai e ao Dsei na semana passada, o Condisi-YY informava a existência de outros casos suspeitos da doença nas mesmas localidades e pede o envio de médicos para a região.

Leia mais  Acre continua a sofrer com cheias, dengue e Covid-19

Em uma nota em que destaca as dificuldades de acesso e de comunicação da região, o Ministério da Saúde informa que servidores do Dsei Yanomami, com sede em Boa Vista (RR), ainda estão “coletando informações” sobre o ocorrido, e que tão logo seja possível, divulgará mais detalhes a respeito dos óbitos registrados.

Quanto aos profissionais deslocados nesta terça-feira para reforçar o atendimento nas Unidades Básicas de Saúde Indígena das comunidades Kataroa e Waphuta, o ministério informou que cada equipe é composta por médico, enfermeiro e técnico de enfermagem.

Além das duas equipes, o Ministério da Saúde chegou a cogitar enviar, com o apoio do Ministério da Defesa, mais suprimentos e outros profissionais de saúde para auxiliar nas ações do Dsei Yanomami. A ação estava programada para ocorrer de amanhã (5) até o próximo dia 12, mas, esta manhã, o Ministério da Saúde informou que, por ora, a viagem não acontecerá.

Imunização

De acordo com o Ministério da Saúde, aproximadamente 37% dos cerca de 755 mil indígenas com mais de 18 anos de idade, vivendo em territórios tradicionais e, portanto, atendidos pelo Subsistema de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, já receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19, desde o início da campanha de imunização, em 19 de janeiro.

Leia mais  Ocupação elevada de UTIs pode aumentar média de vítimas de Covid-19, diz Fiocruz

A pasta distribuiu 907.200 doses de vacinas para os 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas existentes no país. A entrega dos medicamentos conta com a parceria do Ministério da Defesa e das secretarias estaduais e municipais de Saúde. Cerca de 14 mil profissionais de saúde indígena participam dos esforços logísticos para que os imunizantes cheguem às quase 6 mil aldeias do Brasil. Em boa parte delas, o acesso depende de condições climáticas favoráveis e as dificuldades de comunicação atrasam a atualização dos dados sobre a vacinação.

“Não ocorre atraso na vacinação, o que acontece, em alguns casos, é o atraso no lançamento dos dados das doses aplicadas por conta desta logística”, afirma o secretário especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva, em nota divulgada pelo ministério. (Alex Rodrigues/Agência Brasil)

Comentários