Brasil

Maquinista morre após sete horas preso nas ferragens de trem no RJ

Ele chegou a ser retirado das ferragens e houve várias tentativas de reanimá-lo, sem sucesso
o resgate do maquinista durou mais de 6 horas
Dois trens bateram na Estação de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Crédito da foto: Tânia Regô / Agência Brasil

Dois trens da Supervia colidiram nesta quarta-feira (27) na Estação São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro. Mesmo após um esforço de resgate dos bombeiros que durou mais de sete horas, um dos maquinistas morreu. Outras oito pessoas ficaram feridas. O acidente aconteceu por volta das 6h50, entre duas composições de passageiros que seguiam na direção de Deodoro.

Os dois vagões não estavam muito cheios, pois seguiam no contrafluxo. O impacto da colisão fez com que um dos vagões descarrilasse. Os bombeiros informaram que as pessoas que se machucaram tiveram ferimentos leves e todos foram liberados até o fim da tarde desta quarta-feira.

Leia mais  Acidente de trem deixa seis mortos e 16 feridos na Dinamarca

 

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp) informou que está investigando as causas da colisão e a Supervia – que também afirmou estar investigando o que ocorreu – poderá ser multada. “Além das causas da colisão, também serão objeto de análise pela agência reguladora a adequação do atendimento prestado aos usuários pela concessionária e os procedimentos adotados para o restabelecimento da normalidade na operação comercial dos trens”, informou a agência em nota oficial.

Resgate

O maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção morreu por volta das 15h30, após ter ficado preso no metal retorcido, imprensado e com dificuldade para respirar, enquanto os militares lutavam contra os restos da composição tentando salvá-lo — sem sucesso.

Os bombeiros tiveram muitos problemas para rasgar a lataria do trem e retirar Assumpção dos destroços. Enquanto alguns tentavam abrir caminho com ferramentas no meio das ferragens, outros hidratavam o ferido.

Durante o trabalho, o maquinista foi mantido vivo respirando com auxílio de um balão de oxigênio, além de receber transfusão de sangue e soro. Segundo a corporação, Assumpção estava lúcido e conversou com os agentes que estavam tentando retirá-lo das ferragens.

Quando conseguiram tirá-lo dos restos da composição, o ferroviário, em uma maca, estava desfalecido. Por meia hora, os militares tentaram reanimá-lo, com massagem cardíaca, sob olhares aflitos de passageiros, repórteres e empregados da concessionária. Mas foi inútil: Assumpção morreu ali.

Os dois trens, assim como a Linha 1 do ramal Deodoro, estavam equipados com o ATP (Automatic Train Protection), sistema que, de acordo com a SuperVia, reforça a sinalização. Trata-se de um aparelho que, em tese, impede colisões — uma falha nesse mecanismo terá de ser apurada. A concessionária instaurou sindicância para apurar as causas do acidente no prazo de 30 dias.

TAC

A Supervia ainda assinou nesta quarta-feira (27) Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Defensoria Pública do Rio para a pagar indenizações individuais e coletivas dos danos provocados pela colisão. O TAC determina que as vítimas terão 120 dias para buscar reparações e, para recebê-las, terão de comprovar o dano sofrido. Outra alternativa será provar que procuraram atendimento em unidade pública de saúde, entre ontem e hoje, para socorro médico por causa de ferimentos causados pelo acidente.

Ainda como reparação coletiva a Supervia vai distribuir 30 mil bilhetes para os passageiros do ramal Deodoro, nos próximos 30 dias. A concessionária também passará a integrar um grupo de prevenção de acidentes, a ser criado pelo governo fluminense. (Roberta Jansen e Jéssica Otoboni – Estadão Conteúdo)

Atualizado às 22h24

Comentários