Brasil

Lira: não ouvi nenhum governador reclamar da logística do Ministério

No entanto, Lira reconheceu que o ministro Pazuello possui problemas de comunicação no enfrentamento da pandemia
Lira desiste de pôr a imprensa no subsolo do Congresso
Arthur Lira preside da Câmara. Crédito da foto: Fábio Rodrigues Pozzebom / Ag. Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ontem (27) que vai chamar todos os governadores para a formulação do Orçamento Geral da União, cuja votação está programada para ocorrer no Congresso no dia 24 de março. “Com o recrudescimento e nova onda da pandemia, quero chamar todos os governadores para contribuírem com sugestões na formulação do orçamento geral da União”, escreveu Lira, em sua conta oficial do Twitter.

Lira disse também que vai ouvir os governadores sobre sugestões legislativas emergenciais que possam ser adotadas para enfrentar os efeitos da Covid-19, “respeitando o teto fiscal”, destacou. “Neste momento em que inúmeros governadores estão tendo que tomar a difícil decisão do lockdown, é hora de contribuir, buscando novas alternativas e novas vias legais para, juntos, mitigarmos essa crise”, disse o presidente da Câmara.

O presidente da Câmara disse que pretende a Casa à disposição neste momento de crise. “Estava falando hoje com o Wellington Dias (governador do Piauí)”, revelou. Dias está à frente da questão das vacinas no Fórum Nacional de Governadores e afirmou que a prioridade da agenda com Arthur Lira será discutir uma pauta de combate à Covid-19 e recuperação econômica sem “desmantelar a saúde e a educação”.

Leia mais  Força-tarefa da Lava Jato no Rio acaba

Pazuelo x Mandetta

Também ontem, durante evento virtual, Arthur Lira afirmou que não ouviu nenhum governador reclamar da logística adotada pelo Ministério da Saúde. No entanto, reconheceu que o ministro Eduardo Pazuello possui problemas de comunicação no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

Lira brincou que o ideal seria ter um ministro com algumas características de Pazuello e do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. “Mandetta comunicava muito bem, mas entregava muito mal”, alfinetou. Desafeto do presidente da República, Jair Bolsonaro, o ex-ministro Mandetta saiu do governo no ano passado, em meio à pandemia.

O presidente da Câmara participou neste sábado de evento virtual do Grupo Prerrogativas, que reúne profissionais da área do Direito. (Estadão Conteúdo)

Comentários