Brasil Covid-19 Exterior

Itamaraty negocia compra de vacinas excedentes dos EUA

Anúncio foi feito após presidente do Senado enviar pedido à Kamala Harris
Itamaraty negocia compra de vacinas excedentes dos EUA
Ernesto Araújo divulgou tratativa com Estados Unidos. Crédito da foto: Evaristo Sá / Arquivo AFP

O governo brasileiro informou ontem, por meio do Itamaraty, que iniciou negociação com o governo dos Estados Unidos para a compra de vacinas excedentes contra o novo coronavírus daquele país. O comunicado foi divulgado nas redes sociais do ministério, que afirma estar com a negociação em andamento há uma semana.

“Desde o dia 13/3 o governo brasileiro, através do Itamaraty e da embaixada em Washington, em coordenação com o Ministério da Saúde, está em tratativas com o governo dos EUA para viabilizar a importação pelo Brasil de vacinas do excedente disponível nos Estados Unidos”, afirma o texto divulgado pelo Itamaraty, comandado pelo chanceler Ernesto Araújo.

Na quinta-feira, os Estados Unidos anunciaram que planejam enviar para o México e o Canadá cerca de 4 milhões de doses da vacina contra a Covid produzida pela Astrazeneca/Oxford, mas que a autorização para o uso ainda não foi aprovada no país.

Leia mais  Começa o prazo para licenciamento obrigatório de veículos em SP

A negociação com os norte-americanos foi divulgada um dia após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviar ofício à vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, com um pedido de “socorro” e um apelo pela importação do excedente das vacinas. O comunicado do Itamaraty não menciona o ofício de Pacheco. Mas foi visto como uma resposta ao presidente do Senado.

Rodrigo Pacheco pediu à Kamala Harris que “seja autorizada, pelas autoridades norte-americanas competentes, a eventual concessão de autorização especial que permita a aquisição, pelo governo brasileiro, de doses de vacina estocadas nos EUA e ainda sem a previsão de serem utilizadas localmente”. O presidente do Congresso afirmou que o auxílio “daria impulso decisivo ao esforço de imunização dos 210 milhões de brasileiros.”

Mais atingidos

O presidente do Senado destacou ainda que os dois países têm sido os mais atingidos pela pandemia, ao mesmo tempo em que elogiou a administração do presidente democrata Joe Biden. “Com mais de 100 milhões de doses de vacina já aplicadas, a nova administração transformou os EUA em um caso de sucesso”. O senador também relatou esforços do Brasil na contenção da pandemia, como a produção de vacinas pelas brasileiras Fiocruz e Butantan.

Em redes sociais, Pacheco divulgou o pedido feito à autoridade dos EUA. “Solicitei, nesta sexta-feira, aos Estados Unidos, por meio de ofício enviado à vice-presidente Kamala Harris, pedido de socorro ao Brasil nas ações de combate à pandemia da Covid-19”, disse.

Leia mais  Cidadão pode indicar prioridades ao Orçamento de SP pela internet

Pacheco vem sendo o principal responsável por evitar uma CPI no Senado para investigar a atuação do governo no combate à pandemia. (Estadão Conteúdo e Redação)

Comentários