Brasil Covid-19

Fiocruz aumenta produção de vacina

Fiocruz a aumenta produção de vacina
Laboratório deve entregar 3,8 milhões de doses até o final do mês. Crédito da foto: Divulgação

A Fiocruz anunciou que desde ontem produz a vacina de Oxford/Astrazeneca em grande escala. Pelo menos 3,8 milhões de doses do imunizante contra a Covid-19 serão entregues até o fim deste mês. Pelo calendário da instituição, 30 milhões de doses serão entregues até abril. E até meados do ano, a Fiocruz espera já ter disponibilizado 100 milhões de doses.

O anúncio foi feito durante a visita do governador Wellington Dias, do Piauí, que preside o consórcio de governos do Nordeste, e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao laboratório de BioManguinhos, onde as vacinas contra a Covid-19 estão sendo produzidas.

Já houve a conclusão dos testes de fábrica — em que as condições da produção são testadas. Os chamados testes de consistência verificam, por exemplo, se há alguma contaminação dos frascos na linha de produção, se o volume envasado está calibrado corretamente, se a temperatura de todo o processo está correta, entre outras variáveis. Para isso são feitas três produções independentes.

Leia mais  Especialistas defendem regulação de empresas de big data

“Se houver qualquer problema, e preciso parar a produção para reajustar os equipamentos. Havia o temor de que algum desajuste pudesse atrasar ainda mais a produção, mas não houve contratempo”

Pelo calendário original, estava prevista a entrega de 15 milhões de doses até o fim deste mês. Um problema técnico em um dos laboratórios, no entanto, acabou atrasando a produção.

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), afirmou que o Ministério da Saúde prevê envios semanais de lotes da vacina da Coronavac para os Estados. Após reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, e 22 governadores nesta segunda-feira (8), Santana disse que foi solicitada maior rapidez na aquisição e distribuição de vacinas às regiões.

A presidente da Fiocruz, Nísia Silveira, não participou presencialmente da reunião porque teve contato com uma pessoa que testou positivo para Covid-19 na ultima sexta-feira, dia 5. (Agência Brasil e Estadão Conteúdo)

Comentários