Brasil

Ex-PM e GCM são absolvidos da maior chacina da história de SP

Ex-PM e GCM são absolvidos da maior chacina da história de SP
Familiares dos acusados acompanharam do lado de fora. Crédito da foto: Vinícius Nunes / Estadão Conteúdo

Em novo julgamento, o Tribunal do Júri absolveu ontem (26) o ex-cabo da Polícia Militar Victor Cristilder e o guarda-civil Sérgio Manhanhã, que eram acusados de participar da maior chacina da história de São Paulo. O massacre, ocorrido em agosto de 2015, terminou com 17 mortos e sete feridos em Osasco e Barueri, na Grande São Paulo.

Cristilter e Manhanhã, que sempre alegaram inocência, eram apontados como partícipes da série de ataques e chegaram a ser condenados, em 2017 e 2018, respectivamente, a mais de 220 anos de prisão, considerando as penas somadas. Após recurso da defesa, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) anulou as sentenças em 2019 e mandou refazer o júri popular.

O segundo julgamento durou cinco dias. Desta vez, o Conselho de Sentença, formado por sete pessoas comuns, entendeu que os dois eram inocentes da denúncia. Para o Ministério Público (MPE-SP), responsável pela acusação, eles teriam formado uma milícia e promovido ataques a tiros para vingar a morte de um PM e um GCM dias antes da chacina.

Leia mais  Suspensão de Cury por assédio sobe para 180 dias

Em 2019, Cristilder respondeu, ainda, por mortes em Carapicuíba, na Grande São Paulo, ocorridas no episódio conhecido como pré-chacina. Ele também foi inocentado dessas acusações.

Desde o ano do massacre, Cristilder e Manhanhã estavam presos preventivamente. Com a absolvição, eles saem pela porta da Fórum de Osasco e podem voltar para casa.

Condenados anteriormente a mais de 500 anos de prisão, na soma das penas, outros dois policiais estão detidos pela chacina. São eles o ex-soldados Fabrício Eleutério (255 anos, 7 meses e 10 dias), da Rota; e Thiago Heinklain (247 anos, 7 meses e 10 dias), da Força Tática do 42º Batalhão. Eles também alegam inocência. (Felipe Resk – Estadão Conteúdo)

Comentários