Brasil Covid-19 Sorocaba e Região

Estado suspende medidas restritivas da fase vermelha do Plano São Paulo

Funcionamento de atividades comerciais e serviços será liberado já neste final de semana de acordo com a fase laranja
Estado vai vacinar contra Covid-19 a partir de 25 de janeiro
Coletiva no Palácio dos Bandeirantes revogou medidas restritivas do Plano São Paulo. Crédito da foto: Divulgação / GESP (7/12/2020)

 

Matéria atualizada às 0h34 desta quinta-feira (4)

O governo estadual suspendeu ontem (3) as restrições da fase vermelha, que estavam em vigor aos finais de semana, em todo o Estado. Com isso, nas regiões que atualmente estão na fase laranja do Plano São Paulo, como é o caso da região de Sorocaba, fica autoriza o funcionamento de atividades comerciais e serviços não essenciais, das 6h às 20h, durante todo o final de semana e também nos dias úteis.

Assim, já neste sábado (7) e domingo (8) restaurantes podem voltar a receber clientes, mas o consumo em bares continua proibido.

O anúncio foi feito no início da tarde pelo governador João Doria (PSDB), em entrevista coletiva, no Palácio dos Bandeirantes, por conta da reclassificação do Plano São Paulo. Neste final de semana, 11 regiões na fase laranja poderão liberar comércios e serviços não essenciais sem medidas de etapa vermelha.

O governo estadual informou que a flexibilização foi possível após a melhora de indicadores de controle da pandemia em todo o Estado.

Leia mais  Vacinação em idosos acima de 90 anos prossegue em Votorantim

“Tivemos, felizmente, queda no número de internações tanto em leitos primários como os de UTI, o que nos permite suspender a decisão de fechamento de atividades econômicas já neste final de semana”. A redução de hospitalizações por Covid-19 foi de 11%. “Isto, porém, não deve compreender a falta de cuidado e de atenção para que as pessoas estejam protegidas, assim como os funcionários dos estabelecimentos”, reforçou Doria.

A decisão beneficia as cidades das regiões de Sorocaba, Araçatuba, Araraquara, Baixada Santista, Campinas, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, São João da Boa Vista e São José do Rio, além dos municípios da Grande São Paulo.

Na etapa laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios, entre outros comércios e serviços, podem funcionar por até oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% da capacidade, com início às 6h e encerramento às 20h.

Flexibilização foi possível após a melhora de indicadores de controle da pandemia em todo o Estado. Crédito da foto: Pedro Negrão (1/2/2021)

Os parques também estão liberados nesta fase, além de atividades culturais e eventos, com público sentado, com distanciamento, controle de acesso e hora marcada. O consumo local em bares está totalmente proibido, mas eles podem atender por sistema drive-thru ou delivery.

A venda de bebidas alcoólicas em lojas de conveniência só pode ocorrer entre 6h e 20h. Somente a partir da fase verde, a mais branda, é que essa comercialização poderá voltar a ser feita sem restrições.

Nos municípios abrangidos pelos Departamentos Regionais de Saúde (DRSs) de Barretos, Bauru, Franca, Marília, Ribeirão Preto e Taubaté, as restrições da fase vermelha estão mantidas em tempo integral. Todas as seis regiões estão com ocupação hospitalar de pacientes graves com Covid-19 acima de 75%.

Leia mais  Câmara mantém deputado Silveira preso

A fase vermelha só permite serviços como farmácias, mercados, padarias, lojas de conveniência, bancas de jornal, postos de combustíveis, lavanderias e hotelaria. Bares, restaurantes, lojas de rua, shoppings e demais atividades não essenciais só podem atender em esquema de retirada na porta, drive-thru e entregas por telefone ou aplicativos.

A reclassificação do Plano SP está prevista para amanhã (5), com vigência a partir da próxima segunda-feira (8). De acordo com a classificação atual, 82% da população do Estado está na fase laranja e 18% na etapa vermelha.

Todos os protocolos sanitários e de segurança para os setores econômicos devem ser cumpridos com rigor. Prefeituras que se recusarem a seguir as normas estabelecidas pelo governo estadual ficam sujeitas a sanções judiciais. (Ana Cláudia Martins)

Comentários