Brasil

Eduardo Bolsonaro questiona lisura de depoimento de Moro na PF em Curitiba

O depoimento será realizado em Curitiba por ser onde Moro reside desde que deixou o governo federal
Eduardo Bolsonaro questiona lisura de depoimento de Moro na PF em Curitiba
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (21/10/2019) Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou neste sábado (2) que ‘delegados indicados’ por Disney Rosseti, chefe interino da Polícia Federal, ouvirão o ex-ministro Sérgio Moro em Curitiba para evitar que o ex-juiz preste depoimento para a equipe do futuro diretor-geral da corporação.

O deputado, contudo, não menciona o fato de que foi a decisão do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal e relator do caso, que deu ordens à Polícia Federal, através do Serviço de Inquéritos da Diretoria de Combate ao Crime Organização, para colher o depoimento de Moro.

Por conta disso, a PF não escolheu os delegados para a oitiva.

O ministro também deu prazo rigoroso de cinco dias para a realização do depoimento. Portanto, ele deveria ser conduzido até a próxima segunda, 4. Desde a liminar que barrou Alexandre Ramagem na chefia da PF, o Planalto não apresentou outro nome para ocupar a cadeira de diretor-geral da corporação, que recai interinamente para o delegado Disney Rosseti.

Disney Rosseti é o número dois de Maurício Valeixo e, por conta disso, assumiu interinamente a direção-geral da PF até novo nome ser indicado pelo governo Bolsonaro.

O depoimento será realizado em Curitiba por ser onde Moro reside desde que deixou o governo federal, na semana passada.

Ataques

Horas antes do depoimento de Moro, o presidente utilizou suas contas nas redes sociais chamou o ex-ministro de ‘Judas’ ao divulgar vídeo em que uma pessoa não identificada diz ter ouvido vozes de outras pessoas que falariam com Adélio no momento do crime – mesmo com dois inquéritos da Polícia Federal, um deles já concluído, apontarem que o esfaqueador agiu sozinho.

Durante a manhã deste sábado, 2, ao deixar o Palácio do Alvorada, o presidente não quis falar com a imprensa, mas disse a apoiadores que não será alvo de nenhum ‘golpe’ em seu governo “Ninguém vai fazer nada ao arrepio da Constituição. Ninguém vai querer dar o golpe para cima de mim, não”, disse. (Estadão Conteúdo)

Comentários