Brasil

Chuvas continuarão fortes no Centro-Oeste e Sudeste, alerta Inmet

As pancadas registradas recentemente devem se manter nos próximos dias
As pancadas de chuva devem continuar a cair nas regiões Centro-Oeste e Sudeste. Crédito da foto: Vinicius Fonseca (18/12/2020)

As fortes chuvas registradas recentemente nas regiões Centro-Oeste e Sudeste deverão se manter nos próximos dias. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a situação decorre da influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul, que costuma ocorrer durante o verão no País, trazendo, para essas regiões, o ar úmido e quente com origem na Região Norte.

“Isso ocorre, normalmente, durante o verão. Esse fenômeno é responsável pelas chuvas volumosas e as nuvens densas que vemos nessas regiões, até desembocar no Oceano Atlântico”, explica o meteorologista do Inmet Heráclio Alves.

Segundo ele, diversas localidades de Minas Gerais registraram, nas últimas 24 horas, chuvas acima de 70 milímetros (mm). Na região da Pampulha, localizada ao norte de Belo Horizonte, choveu 154 milímetros nas últimas 24 horas. Ao sul da cidade, em Cercadinho, os 138 milímetros de chuva registrados nas últimas 24 horas correspondem a 77% do previsto para todo o mês.

Leia mais  PF prende desembargadores ligados a Witzel

“Em Belo Horizonte, o normal para todo o mês de fevereiro são 181 milímetros de chuva. No entanto, só nos oito primeiros dias do mês já choveu 248 milímetros. Isso está 37% acima do que é esperado para o mês inteiro”, disse o meteorologista.

Centro-Oeste

De acordo com o meteorologista, na Região Centro-Oeste, as chuvas se concentram mais no norte/nordeste do Mato Grosso, onde os volumes mais expressivos de chuvas variaram entre 60  e 10 milímetros na primeira semana de fevereiro. “O normal para essa área varia entre 160 mm e 180 mm durante todo o mês”, explica Alves.

Em várias localidades do centro-norte de Goiás, região que inclui o Distrito Federal, o índice pluviométrico já ultrapassou os 100 mm. Os maiores acumulados, nesses primeiros dias de fevereiro, já estão em 179 milímetros, quando o esperado para o mês inteiro é 183 milímetros. “Cerca de 98% do previsto para todo fevereiro já choveu apenas na primeira semana do mês, nessas localidades”, detalhou o meteorologista.

Previsão

Segundo o Inmet, o sistema de convergência responsável pelas chuvas nessas regiões se manterá nos próximos dias. principalmente. na região central de Minas Gerais e Tocantins, bem como no norte do Mato Grosso e no norte e leste de Goiás.

Leia mais  Senado quer mudar lei para liberar a compra de vacinas

O meteorologista alerta que os solos dessas regiões já estão encharcados e, com a continuidade das chuvas, sugere à população que acompanhe as informações disponibilizadas pela Defesa Civil local e federal, e por meio do site do Inmet. Sugere também que as pessoas evitem, diante de chuvas e trovoadas, se proteger em áreas descampadas.

Belo Horizonte

A prefeitura de Belo Horizonte informa ter recebido 131 solicitações de vistorias de risco entre os dias 6 e 8 de fevereiro, sendo que 12 relativas a alagamentos, outras 12 relativas a deslizamentos de encosta e 15 relativas a enchentes ou inundações. Houve, ainda, 11 solicitações de vistorias devido a desabamento parcial de muro de arrimo.

De acordo com a prefeitura, muitas ligações se devem a “situações de risco”. Entre estas, pedido de vistorias no local por “risco de danificação ou destruição de habitações”; por risco de desabamento de muro de arrimo; por deslizamento de encosta; por “risco ou ameaça” de alagamentos; e por “risco ou ameaça” de enchentes ou inundações.

A prefeitura recomenda que, durante as chuvas, a população redobre a sua atenção, evitando áreas de inundação, o tráfego em ruas sujeitas a alagamentos ou perto de córregos e ribeirões nos momentos de forte chuva.

Leia mais  Moderna enviará 13 mi de doses para o Brasil

A prefeitura alerta ainda para as pessoas não atravessarem ruas alagadas nem deixar crianças brincando nas enxurradas e próximo a córregos; e que não se abrigue nem estacione veículos debaixo de árvores. (Agência Brasil) 

Comentários