Brasil Covid-19

Bolsonaro muda de postura e defende vacina

Em evento, presidente sancionou projetos que facilitam compra dos imunizantes e evitou críticas a restrições
Bolsonaro muda de postura e defende vacina
Sinalizando a mudança de postura, Bolsonaro usou máscara durante o evento. Crédito da foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Pressionado pelo avanço da Covid-19 e críticas sobre a omissão do governo federal na distribuição de vacinas, o presidente Jair Bolsonaro mudou radicalmente de postura e usou máscara, ontem, em evento no Palácio do Planalto, em que sancionou projeto para facilitar a compra de mais vacinas Desde o começo da pandemia, Bolsonaro tem minimizado a doença, desestimulado o uso da proteção e o distanciamento social e rejeitado propostas de compra de imunizantes.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) também mudou o tom e pediu aos seus seguidores para compartilhar nas redes sociais uma foto de seu pai com a frase: “Nossa arma é a vacina”. O filho do presidente também disse que nos próximos meses o Brasil vai vacinar “dezenas de milhões de brasileiros”.

A mudança de postura ocorreu horas após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter atacado a gestão do governo no enfrentamento da pandemia no primeiro discurso depois de ter condenações anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O petista disse que fará propaganda para a população se vacinar, num movimento oposto ao que Bolsonaro adotou até hoje.

Em seu discurso, Bolsonaro adotou tom moderado, não fez ataques a governadores e prefeitos e citou de passagem fármacos sem eficácia contra a Covid-19, como a hidroxicloroquina, que se tornou uma aposta do governo durante a crise.

O evento no Planalto marcou a sanção de três leis que tratam da pandemia. Um dos textos autoriza que a União assuma riscos e custos de efeitos adversos das vacinas, medidas que destrava a compra dos imunizantes da Pfizer e Janssen. Além disso, o texto permite que Estados e municípios comprem os imunizantes, caso o governo federal se omita nestas negociações.

Leia mais  Votorantim arrecada doações em vacinação

Ao mesmo tempo em que Bolsonaro agora passou a defender a vacina, o Ministério da Saúde admite que a campanha nacional de imunização pode parar pela escassez dos imunizantes. Em carta enviada à Embaixada da China para tentar a compra de 30 milhões de vacinas, a pasta afirma estar ciente da importância de conter a nova variante da Covid-19 e impedir que o vírus “se espalhe pelo mundo, recrudescendo a pandemia”.

A postura contrasta com declarações anteriores do presidente. Ele já afirmou que não compraria doses da Coronavac, desenvolvida na China, devido a sua “origem”. Disse ainda, em dezembro, que a pressa pela chegada dos imunizantes “não se justifica” e que as farmacêuticas é que deveriam estar interessadas em negociar com o governo. “Pessoal diz que eu tenho que ir atrás. Não, quem quer vender (que tem). Se sou vendedor, eu quero apresentar”, disse Bolsonaro em 28 de dezembro.

Leia mais  Seis a cada dez casas no País vivem insegurança alimentar

Em contraste com discursos anteriores, o presidente ainda evitou críticas a restrições de circulação e lockdowns. Disse que no começo da pandemia essas restrições foram adotadas para que hospitais fossem aparelhados com leitos de UTI e respiradores. “Nenhum prefeito, governador, reclamou de falta de recursos para que tivesse, então, hospitais, leitos e UTI e respiradores.”

Em seu discurso, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que as medidas aprovadas no Congresso possibilitaram a compra da vacina da Pfizer. Em aceno a Bolsonaro, que por meses criticou as exigências da farmacêutica, o general disse que o presidente “pessoalmente” conseguiu adiantar o cronograma de entrega desta vacina em um trimestre. O presidente reuniu-se na segunda-feira, 8, com representantes do laboratório.

O ministro Pazuello negou que a pasta tenha reduzido a expectativa de entrega de vacinas. “Estamos garantidos para março entre 22 e 25 milhões, podendo chegar a 38 milhões de doses”, disse. Ele afirmou que o SUS tem capacidade de vacinar de 1 milhão a 1,5 milhão por dia.

Pazuello diz que entre 22 a 25 milhões de doses devem chegar em março

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a pasta tem a garantia da chegada de 22 a 25 milhões de doses da vacina contra Covid-19 em março. O volume, de acordo com ele, pode chegar a 38 milhões. A declaração foi dada durante cerimônia no Palácio do Planalto para sanção de projetos que ampliam a capacidade de compra dos imunizantes pelo governo federal.

Leia mais  AMB quer definir prioridades para vagas na UTI

De acordo com o ministro, no fim do primeiro semestre do ano será possível produzir vacinas com insumos nacionais na Fiocruz, inclusive com o ingrediente farmacêutico ativo (IFA) fabricado no Brasil. “Em doses importadas, contratadas e empenhadas para laboratórios internacionais, nós temos muitas incertezas de recebê-las. Não é simples, como é receber do Butantan ou da Fiocruz”, disse Pazuello na cerimônia.

Um dos projetos sancionados pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira, 10, permite a compra de doses por Estados e municípios e pela iniciativa privada. Pazuello ressaltou, porém, que todas as vacinas compradas serão coordenadas dentro do Plano Nacional de Imunização (PNI), executado pelo Ministério da Saúde Outra proposta sancionada dá aval para a compra de doses pela iniciativa privada. As medidas darão mais celeridade ao combate contra o novo coronavírus, afirmou o ministro. (Mateus Vargas , Daniel Weterman – Estadão Conteúdo)

Comentários