Brasil

Bienal Internacional do Livro de São Paulo chega aos 50 anos de existência

A Bienal Internacional do Livro de São Paulo chega aos 50 anos em 2018 e leva ao Anhembi mais de 190 expositores, 310 convidados do Brasil e de fora em 1,5 mil horas de programação. Neste ano, o evento volta com a tradição de receber um convidado de honra: Sharjah, cidade dos Emirados Árabes Unidos escolhida pela Unesco como capital mundial do livro em 2019, terá um estande especial com editoras, autores e outras atrações montado no espaço.

A programação foi apresentada nesta quinta-feira (5), no Unibes Cultural, em São Paulo. A expectativa é de receber 700 mil pessoas – a 25ª Bienal ocorre entre os dias 3 e 12 de agosto de 2018. Os ingressos estão à venda (R$25) pelo site do evento. 100 mil unidades já foram vendidas, segundo a Câmara Brasileira do Livro (CBL). O tema da Bienal este ano é “Venha fazer esse download de conhecimento”.

Leia mais  Polícia apreende 435 tijolos de maconha em Capão Bonito

Além dos nomes internacionais que devem atrair multidões na arena principal do evento (como A.J. Finn e Yoav Blum), a Bienal terá pelo menos três espaços dedicados ao negócio do livro, inclusive a 1ª Jornada Profissional, com players nacionais e internacionais.

Bienal terá 190 expositores, além de 310 convidados do Brasil e do exterior - ROVENA ROSA / AGÊNCIA BRASILBienal terá 190 expositores, além de 310 convidados do Brasil e do exterior – ROVENA ROSA / AGÊNCIA BRASIL

Conhecida como capital cultural do mundo árabe e sede da terceira maior feira literária do mundo (atrás apenas de Frankfurt e Londres), a cidade de Sharjah, por meio da Sharjah Book Authority (SBA), vai trazer à Bienal um estande para fortalecer os laços entre os dois mercados. Na Feira de Sharjah do ano passado, foram negociados cerca de US$ 150 mil entre Brasil e Emirados Árabes em direitos, um número considerado muito bom pela CBL.

Leia mais  Brasil passa Alemanha em casos e é 2º país em mortes nas últimas 24 horas

“Estamos muito honrados e acreditamos que isso celebra uma nova era para os negócios do livro entre nossas regiões”, disse o presidente da SBA, Ahmed Al Ameri, nesta quinta-feira. “Muitas oportunidades foram identificadas nos últimos anos, e nosso pavilhão terá várias discussões com autores e players do mercado ”

Segundo Al Ameri, 40 traduções inéditas do árabe para o português estarão disponíveis no estande, com pelo menos 10 editoras locais. A ideia é também criar intercâmbios em outros aspectos do mercado, como impressão por demanda. Sharjah abriga uma Publishing City, a primeira zona livre do mercado de publicação e impressão no mundo.

O número de expositores diminuiu em relação à Bienal de 2016: foram 280, hoje são cerca de 190. Mesmo assim, o pavilhão estará 100% ocupado. A variação é considerada normal pela Reed Exhibitions, empresa que organiza o evento com a CBL. O presidente da CBL, Luís Antonio Torelli, também atribuiu a diminuição à crise econômica do País.

Este ano, serão 14 espaços, como as já conhecidas Arena Cultural, Salão de Ideias e BiblioSesc (parcerias com o Sesc São Paulo), Cozinhando com Palavras e Espaço Infantil. A novidade deste ano é o Espaço do Saber, com programação voltada para educadores e professores, palestras motivacionais e debates sobre tecnologia da educação e soft skill. Com apoio da Microsoft (patrocinadora master da Bienal), o espaço vai receber desde conversas com Frei Betto até discussões sobre redes sociais e importância das telas na educação infantil.

Leia mais  Governo transfere cargos da Secretaria da Cultura para o Ministério do Turismo

A Bienal Internacional do Livro de São Paulo tem um orçamento de R$32 milhões e vai ocupar 75 mil metros quadrados no Pavilhão de Exposições do Anhembi (avenida Olavo Fontoura, 1.209, Santana).

Comentários