Brasil

Atirador na Catedral de Campinas trabalhou no Ministério Público de São Paulo

A identificação foi feita pela carteira de habilitação do atirador encontrada em uma mochila dentro da igreja
Fachada da Catedral Metropolitana de Campinas. Crédito da foto: Ari Ferreira / AFP

A Polícia Civil informou que Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, o autor dos disparos na Catedral Metropolitana de Campinas, e era morador de Valinhos, cidade vizinha a Campinas, foi servidor concursado do Ministério Público do Estado de São Paulo, atuando como auxiliar de Promotoria I, na Comarca de Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo.

O Ministério Público de São Paulo informou que ele pediu exoneração do cargo em 3 de julho de 2014. O perfil de Euler em uma rede social, sem postagens, informa que ele estudou no Colégio Técnico da Unicamp e na Unip, em Campinas.

Leia mais  Bolsonaro lamenta crime ocorrido em Catedral de Campinas

 

O delegado José Henrique Ventura, que acompanha as investigações do caso, informou que Euler Fernando Grandolpho não tem antecedentes criminais. “A profissão, ao que parece, é analista de sistemas. É uma pessoa fora de qualquer suspeita em circunstâncias normais. Agora, com a identificação, nós vamos investigar a motivação”, apontou.

Corpo é retirado da Catedral Metropolitana de Campinas. Crédito da foto: Ari Ferreira / AFP

A carteira de habilitação do atirador foi encontrada em uma mochila dentro da igreja. Ventura informou que será feita uma diligência à casa de Grandolpho para buscar informações que possam levar ao esclarecimento do crime. “Vamos fazer um levantamento da casa, de quem mora, se é casado. Os dados para saber os antecedentes antes de ele chegar a Campinas”, explicou.

Investigações preliminares apontam que Grandolpho não conhecia as vítimas. “Estamos agora identificando as vítimas, porque o que nos interessava primeiro era saber quem era o atirador”, apontou o delegado.

As imagens de câmeras de segurança mostram que o atirador entrou na igreja, sentou em um dos bancos e começou a atirar em pessoas que estavam atrás dele. Ele tinha uma pistola e quatro carregadores. “Usou dois carregadores e tinha dois cheios com 22 cápsulas”, disse Ventura. Antes de se matar, o atirador foi atingido pela polícia.

Testemunhas

O aposentado Pedro Rodrigues, 66 anos, estava em um dos últimos bancos da igreja quando o atirador abriu fogo. “Eu peguei o final da missa, sentei, mais ou menos depois de 5 minutos que tinha terminado a celebração. Começou a chegar as pessoas para fazer as ações individuais e de repente percebi que no meio um rapaz se levantou, se posicionou em frente a um casal e começou a atirar à queima roupa. Eu vi dois tiros”, contou. Rodrigues correu para fora da igreja e continuou a ouvir disparos. “Eu escutei mais ou menos 15 disparos”.

Leia mais  Em Campinas, idoso chora morte do filho, mas agradece por mulher estar viva

 

O tiroteio ocorreu por volta das 13h25, segundo informações da Polícia Militar. Quatro pessoas morreram no local. Ainda não se sabe a motivação do crime.

Um homem de 84 anos, que foi atingido no tórax e no abdômen, passou por cirurgia no Hospital Municipal Doutor Mário Gatti e agora está na Unidade de Terapia Intensiva.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, o estado de saúde dele é grave. Uma mulher de 65 anos foi levada para a mesma unidade, permanece em observação, mas o estado dela é estável. Ela foi ferida no tórax, na mão e teve uma fratura na clavícula.

As outras duas pessoas baleadas foram levadas para o Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e para o Hospital Beneficência Portuguesa de Campinas. (Com informações de Eliane Gonçalves/Rádio Nacional – Agência Brasil)

Comentários

CLASSICRUZEIRO