Agronegócio Brasil

Arroba do boi gordo bate recorde

Alta demanda externa e baixa oferta mantêm preços em alta e arroba ultrapassa a marca de R$ 300
Arroba do boi gordo bate recorde
Cenário é favorável para a exportação, mas mercado interno preocupa especialistas. Crédito da foto: Divulgação

Os preços da arroba bovina fecharam o mês de janeiro batendo recorde, desde que se iniciou a série histórica em 2004, mantendo a tendência de alta no começo de fevereiro, com a cotação em algumas praças de São Paulo chegando a R$ 301.

O cenário é positivo para quem exporta, principalmente se considerarmos a alta cotação do dólar em relação ao real e o aumento na demanda mundial, onde diversos sistemas produtivos foram impactados pela pandemia, ao contrário do Brasil, que conseguiu manter o ritmo de crescimento do agronegócio nesse período.

No outro lado da moeda está o mercado interno. Dados do setor apontam que cerca de 30% da carne brasileira é exportada, ficando para o mercado interno a responsabilidade de consumir 70% de toda proteína bovina produzida no país.

Com o preço da carne rompendo barreiras históricas, os frigoríficos têm dificuldades em manter as margens de lucro sem aumentar o valor do produto que será colocado nas gôndolas.

A renda média do brasileiro diminuiu com a pandemia — que gerou forte desemprego ou redução de jornada. O fim do auxílio emergencial também deve impactar no poder de consumo, inviabilizando qualquer margem para ajuste de preços ao consumidor final.

Leia mais  Encontro na internet marca Dia Mundial das Doenças Raras

Enquanto o valor da arroba subiu mais de 50% em um ano, o preço médio de 22 cortes analisados no atacado caiu 0,3% no acumulado da última semana. Os cortes traseiros (de maior valor agregado) caíram 0,6%; já os cortes dianteiros tiveram alta de 0,4%, segundo levantamento da Soct Consultoria, divulgado em 01 de fevereiro.

Ao menos por enquanto, não parece que haverá uma queda expressiva de preços no curto prazo. Janeiro é um mês tradicionalmente com baixa oferta de boiadas para a venda.

Outro fator que chama atenção é a alta retenção de matrizes para reposição. Com o mercado aquecido e oferta menor do que a demanda, o produtor quer aumentar seu plantel para produzir mais, gerando uma menor oferta de novilhas e vacas para o abate.

Denis Deli – jornalista especializado em agronegócio, pós graduado em Produção e Reprodução animal.

Comentários