Brasil

Aprovação do uso emergencial da CoronaVac e AstraZeneca já teve dois votos favoráveis

Dois diretores da Anvisa já votaram favorável e faltam ainda três para votar pela liberação
Reunião na Anvisa em Brasília, neste momento, decide sobre o uso emergencial de duas vacinas no Brasil. Crédito da foto: AFP

Dois diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já votaram a favor do uso emergencial no Brasil das vacinas CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac, e AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a Fiocruz, contra a covid-19. Faltam agora três votos.

A primeira diretora a votar a favor foi a diretora da Anvisa, Meiruze Sousa Freitas. Ela é a relatora das duas solicitações e fez ressalvas ao aprovar os imunizantes. Durante a manhã e o início da tarde, ambas as vacinas foram recomendadas, com ponderações, pela área técnica da Anvisa.

Além da relatora, também votou a favor do uso emergencial no Brasil das duas vacinas o diretor da Anvisa Romaison Rodrigues Mota. Ainda faltam votar três diretores: o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, e os demais diretores da agência, Cristiane Rose Jourdan Gomes e Alex Machado Campos.

Leia mais  Araraquara entra em lockdown para frear disseminação de Covid-19

Votação continua

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realiza, neste domingo (17), em Brasília, reunião extraordinária de sua diretoria colegiada, formada por cinco integrantes, para analisar os pedidos de autorização temporária de uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19.

A reunião começou às 10h e tem previsão de cinco horas de duração e está sendo transmitida ao vivo pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e pelos canais digitais da agência.

Estão na pauta da Anvisa os processos do imunizante Coronavac, fabricado e desenvolvido pelo Instituto Butantan, em conjunto com a farmacêutica chinesa Sinovac; e o da vacina da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com o laboratório AstraZeneca.

Somados, os pedidos se referem a seis milhões de doses da Coronavac e outros dois milhões de doses da vacina da Astrazeneca/Oxford.

Leia mais  SP registra 2 milhões de casos e 59,4 mil óbitos por coronavírus

Ministro da Saúde dará entrevista coletiva

Após o término da votação, o Palácio do Planalto confirmou, neste domingo, que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, dará entrevista coletiva, às 15h30, sobre a vacinação contra a covid-19. A entrevista será no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), no Rio de Janeiro, com transmissão pelos canais do governo federal nas redes sociais.

A fala de Pazuello ocorrerá após a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que está reunida neste momento para decidir se permite ou não o uso emergencial da Coronavac e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. A reunião deve durar no máximo, segundo a previsão, até as 15h.

O Governador João Doria também fará um pronunciamento para a imprensa neste domingo, no Hospital das Clinicas (HCFMUSP), ao término da votação da Anvisa para a liberação emergencial da vacina do Butantan. (Da Redação, com informações de Estadão Conteúdo)

Comentários