Rota do Equilíbrio

Conheça Os Suplementos Que Realmente Dão Resultados – E Evite Ser Enganado

Olá queridos Tanquinho e Tanquinha.

Hoje, queremos compartilhar com você uma história que aconteceu com o Guilherme há poucos dias.

(Se você não sabe quem é o Guilherme e quem é o Roney, clique aqui para descobrir.)

Aqui segue o relato dele.

Outro dia, durante meu treino na academia, participei da seguinte interação.

Enquanto eu descansava entre as séries do meu treino, um homem veio conversar comigo, e puxou conversa perguntando que suplementos alimentares eu utilizava para ter resultados.

Após alguns segundos de reflexão, falei para ele que, no momento, suplementava apenas com vitamina D.

Ele ficou bastante surpreso com a resposta — certamente, vitamina D não era a réplica que ele esperava.

Vendo sua expressão de surpresa e confusão, expliquei que a vitamina D é importante para várias funções em nosso organismo como:

  • Contribuir com a absorção de cálcio e magnésio,
  • Melhorar a saúde dos ossos,
  • Ajudar na função imune, e até mesmo,
  • Possivelmente prevenir doenças.

Também mencionei que a vitamina D é sintetizada pelo nosso corpo quando estamos expostos à luz solar.

E que, como a maioria das pessoas hoje em dia não se expõe muito à luz solar, muitas pessoas tendem a ser deficientes em vitamina D.

Esse era o meu caso (antes da suplementação), e pode ser o de muita gente também.

Precisa de mais proteína!

De toda forma, imagino que ele esperava que a resposta fosse algo como Whey Protein, creatina ou Maltodextrina.

E, por isso, ele insiste na pergunta:

— Mas você não suplementa proteína? Nós que treinamos precisamos de mais proteína do que as pessoas que não treinam.

Leia mais  CHS prevê inauguração de radioterapia com acelerador linear em agosto

(E ele tem razão: pois pessoas que treinam de fato podem precisar de uma maior ingestão de proteína.)

Eu respondi o seguinte.

— Concordo com você. Mas eu já como bastante proteína na alimentação, e por isso não acho necessário, no meu caso, suplementar.

— Mas a gente precisa de mais! MAIS! Precisa de suplemento!

(Não foi exatamente essa a frase, mas foi esse o sentido.)

— De fato, se você não consegue ingerir proteínas em quantidade suficiente na sua dieta, pode ser interessante suplementar. Como está a sua dieta?

(Aí foi que o barraco desabou. Nessa que meu barco se perdeu. Porque a resposta dele foi a seguinte.)

— Ah, eu não faço dieta.

“Eu não faço dieta” e outras mentiras

Perceba que essa frase contém dois pontos que vale a pena comentar.

O primeiro é o de que todo mundo faz dieta.

Isso porque “dieta é o que você come”.

Então, a não ser que você esteja em jejum permanente, não comendo nada nunca (e nesse caso você não vai durar muito tempo), você está comendo algo.

E esse algo é a sua dieta.

No caso do nosso amigo da academia, ele faz alguma dieta, na qual ingere alguma quantidade de proteína — algo entre zero grama e algumas centenas de gramas.

Mas, como ele não media isso, não havia como ele saber se precisava de “mais proteína” ou não.

Relacionado: Veja como usar um aplicativo de celular para medir sua ingestão de nutrientes: Como Usar O Fat Secret.

Leia mais  Qual é a alimentação mais adequada para pessoas com gastrite?

E o segundo ponto é que ele chegou a pensar que a dieta não seria importante.

(O que ficou claro pelo tom desdenhoso com que falou “ah, eu não faço dieta”. Além do fato de ele “não fazer dieta” em si.)

Mas que, ao mesmo tempo em que julgou que a dieta não seria importante, ele acredita que os suplementos são essenciais para trazer resultados para pessoas normais do dia a dia.

Porque não estamos falando de atletas em si — mas sim de pessoas como eu, ele (e provavelmente você que está lendo o texto), que treinam de maneira recreativa, e não buscam a performance a todos os custos.

Parabéns para você…

Por isso, parabéns para a indústria dos suplementos — especialmente para o departamento de marketing.

Porque ela foi capaz de convencer as pessoas amadoras e majoritariamente sedentárias que elas não precisam se preocupar tanto assim com a alimentação.

Mas sim que elas precisam de suplementos para ter resultados.

Ou seja: a indústria foi capaz de fazer as pessoas esquecerem que o que elas comem é importante — e, em vez disso, depositarem suas esperanças em potes coloridos.

Apostando em proteínas em pó para substituir alimentos completos e nutritivos como:

E, em vez disso, pensarem em:

E outras.

Lembre-se disso

Essas proteínas em pó não possuem poderes mágicos fenomenais — ao menos, não mais do que as proteínas que vêm da comida de verdade.

Leia mais  Mudança de cor nas penas pode indicar doença nas aves

Sendo que a comida de verdade tende a ser mais barata — e mais saciante — do que os suplementos.

Por isso, preferimos sempre comer os nutrientes vindos da comida — e não ficar ingerindo um monte de pós e cápsulas.

Mas é claro que existem casos em que suplementos podem ajudar a melhorar nossa saúde (e existem momentos em que os suplementos realmente andam lado a lado da medicina bem aplicada).

Por exemplo, o próprio Mark Sisson acredita que estes 4 suplementos podem ser úteis em alguns casos.

Além de existirem alguns suplementos que são popularmente aliados com uma dieta cetogênica.

E clique aqui para escutar o parecer da Nutri Fernanda Macuco sobre suplementos alimentares.

Pois, nesta entrevista completa, ela fala quais suplementos são úteis — e quais não passam de perda de tempo e dinheiro.

E você, usa algum suplemento? Comente abaixo o que você usa, e o que você pensa a respeito desse tópico.

Referências E Leituras Complementares

  1. Grant, W. B., & Holick, M. F. (2005). Benefits and requirements of vitamin D for optimal health: a review. Alternative Medicine Review : a Journal of Clinical Therapeutic, 10(2), 94–111.
  2. The control of calcium and phosphorus metabolism by the vitamin D endocrine system. (1980). The control of calcium and phosphorus metabolism by the vitamin D endocrine system., 355, 1–17.
  3. The Role of Vitamin D in Human Health: A Paradigm Shift. (2011). The Role of Vitamin D in Human Health: A Paradigm Shift, 16(1), 58–72. http://doi.org/10.1177/1533210110392952
Comentários