Especial publicitário Veritas

Colégio Veritas inicia projeto de transformação digital

Mudança propõe maior segurança de dados, colaboração online de alunos e professores e comunicação instantânea entre pais e escola

Há aproximadamente um ano, o Colégio Veritas, que pertence a Rede VespeR, deu início a uma jornada de transformação digital em seus processos educacionais e administrativos. O objetivo é disponibilizar ferramentas para que os alunos tenham maior convivência colaborativa com os professores e colegas, promover a interação com alunos de outras cidades, disponibilizar conteúdos preparados pelos professores e material complementar ao didático já usado em sala de aula formal, salas de aulas virtuais, além de maior segurança de dados.

De acordo com Welci José Tomazella, gerente de projetos do Colégio Veritas, os primeiros esboços do Projeto VespeR 2020 começaram em 2017, porém o processo de mudança só teve início em março de 2018. “Nosso mentor e fundador, Pe. Joaquim Ferreira Xavier Júnior, já havia sinalizado que deveríamos usar a tecnologia para prover mais ferramentas aos nossos alunos e estarmos alinhados com essa nova geração que já nasce conectada, além de estar atento ao que o mercado de trabalho já usa e adaptarmos para o modelo educacional”, comenta. Os feedbacks enviados pelos pais de alunos, via ouvidoria e colégios, também foram necessários para dar início ao projeto de transformação e quais tipos de serviços on-line deveriam disponibilizar.

O projeto VespeR 2020 é divido em duas ramificações – Tecnologia e Pedagógico. A plataforma da Microsoft foi a escolhida por possibilitar maior adaptação, já que a ideia é preparar os alunos para a sociedade e o mercado de trabalho. “As ferramentas da Microsoft são usadas por pessoas no mundo todo, por isso nossos alunos já estão habituados a usar as ferramentas de colaboração e produção que o mercado utiliza. O grupo de educadores do portal da Microsoft também é excelente, produzem conteúdos e procedimentos de como usar as ferramentas e aplicar em sala de aula”, cita Welci.

As primeiras transformações aconteceram com a migração dos serviços de internet para a nuvem, como serviços de e-mail e portal web. Posteriormente, foram disponibilizados serviços do Office 365 para todos os funcionários, professores e alunos. Também foram criadas salas de aulas virtuais, promovendo interação entre aluno e professor. “O professor está na sala de aula e quer publicar um vídeo complementar sobre a matéria. Ele entra na sala de aula virtual e faz isso, ali mesmo, e o aluno pode assistir quando chegar em casa”, explica.

Atualmente estão sendo migrados dados para armazenamento na nuvem, além da criação de portais de colaboração administrativos e portais de conteúdos para os alunos. “Um dos objetivos é oferecer ferramentas para os pais. Já é possível, por exemplo, enxergar a vida pedagógica e administrativa do filho através desse sistema”, diz.

Os próximos passos dessa transformação contemplam um autosserviço para pais e alunos, autosserviço para professores, portais internos com conteúdo educacional e projetos para alunos, migração dos sistemas legados na nuvem, automação de processos e inovações. “É uma jornada com data de início, mas sem previsão de fim. Sabemos que com tecnologia há diversas possibilidades de melhorar o processo e criar inovações. O primeiro passo já foi dado”, finaliza Welci.

Comentários