Uniso Ciência

Dia do Pedagogo

Dia 20 de maio é comemorado o Dia do Pedagogo, mas pedagogo não é professor? O dia não é comemorado em 15 de outubro?

Todo pedagogo é professor, mas nem todo professor é pedagogo. A data específica para comemorar o Dia do Pedagogo foi instituída recentemente, em 2015, e teve como objetivo, além da homenagem a esses professores especialistas, incentivar reflexões e promover a discussão na sociedade, principalmente, sobre as responsabilidades da família e da escola no desenvolvimento e na aprendizagem das crianças.

Esse profissional pode atuar sendo professor de crianças, desde a primeira etapa a educação infantil até o quinto ano do ensino fundamental; fazendo parte da gestão das escolas, como diretor, coordenador ou orientador; inserindo a educação em espaços não escolares, privados, públicos, comunitários etc. Mas, independentemente de onde atua deverá, necessariamente, associar o processo ensino/aprendizagem às questões sociais e ao contexto de cada situação.

Ciente da atuação do profissional com licenciatura plena no curso superior de Pedagogia, vamos à reflexão necessária à data: A educação transcende à dimensão escolar, qual o papel que cabe à escola e à família?

Às duas Instituições cabe lembrar que a educação deve ser, sempre, para a cidadania. Temáticas como respeito, ética, sustentabilidade, inclusão, empatia, tecnologia, entre outras, devem percorrer todo o processo de crescimento da criança e serem aprendidas e exercitadas em qualquer local e situação.

Na família ocorre a educação não formal, onde a relação entre educadores e educandos (pais e filhos) é permanente, os sujeitos são os mesmos desde o nascimento e não mudarão, o que propicia autoridade aos pais, que nunca deixarão de ser pais, mesmo havendo conflitos e desobediências. Nesse contexto, a criança precisa aprender o que é certo e o que é errado.

Na escola, tudo o que era privado, inclusive as relações, passam a ser coletivas. A manutenção das relações (aluno/professor – aluno/aluno) passa a depender das atitudes individuais em consonância com o grupo. A criança passa a entender que a sociedade é diversificada e democrática, que é necessário ceder e aceitar as diferenças. Para que essa aprendizagem ocorra faz-se necessário que as famílias também aprendam que o que deve prevalecer são os valores sociais sobre os familiares.

A formação em didática e uma base consistente no processo de ensino/aprendizagem, alfabetização, epistemologia etc, compõem ferramentas imprescindíveis à escola. As formas de intervenções necessárias e condizentes à realidade de cada um deve ser pensada pelo professor que deve orientar os pais para ajudá-los no processo.

Atualmente, com a necessidade de isolamento social, os pais estão se envolvendo mais nas atividades dos filhos. Os professores encaminham atividades através de tecnologias ou mesmo em apostilas para que as crianças façam sob a supervisão dos responsáveis na casa. O necessário agora é que pais e professores, ambos desempenhando papéis nunca exercitados, se ajudem, ajudem na formação dos filhos/alunos, nunca desmerecendo um ao outro, nunca esquecendo que a ética familiar e profissional se fundem, na formação de um bem maior: o sucesso na aprendizagem dos filhos/alunos.

Pais, lembrem seus filhos que hoje é o dia do pedagogo, aquele profissional que se envolve e se esforça no crescimento de cada um (seus filhos) e elogie o professor para seu filho, somente assim os alunos aprenderão a respeitar seus professores e absorverem tudo que esse profissional tem para oferecer.

Parabéns, pedagogo.

Catarina Hand é mestra em Educação e docente na Uniso – Universidade de Sorocaba. (catarina.hand@prof.uniso.br)

Comentários