Turismo

Safári ajuda na preservação de onças

Safári ajuda na preservação de onças
Turistas observam a natureza e custeiam o projeto Onçafari. Crédito da foto: Divulgação / Matueté

Quem está em busca de experiências únicas na natureza selvagem do Pantanal tem a oportunidade de vivenciar um safári de observação de onças-pintadas em seu habitat. O tour personalizado é oferecido pela agência Matueté, especializada nesse segmento, em parceria com a Icon, que oferece voos em aeronaves de pequeno porte, e com o apoio da Jaguar-Land Rover. Para ajudar na preservação das onças-pintadas, cada pacote vendido terá uma doação revertida ao Onçafari, projeto criado para o estudo e conservação desses lindos animais.

O voo privativo direto ao Pantanal sai do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e o viajante pode se hospedar com a família ou amigos em um lodge exclusivo, no Refúgio Ecológico Caiman, em Mato Grosso do Sul. Instalada há quase 10 anos, o refúgio é a principal base do Onçafari, onde os turistas tem a oportunidade fazer passeios a bordo de veículos da Land Rover para avistar a onça-pintada e outros animais nativos da região.

Desde 2011, o Onçafari coleta dados e compila informações que levam ao melhor entendimento do comportamento das onças-pintadas, assim como a descoberta de melhores estratégias para a conservação do maior felino das Américas. Vale ressaltar ainda que um dos principais braços do projeto é o ecoturismo.

“O ecoturismo é fonte de renda e educação para a população da região. Nesse período em que temos que tomar precauções extras para viajar, esse roteiro personalizado é o ideal para os que desejam evitar destinos com aglomeração e preferem ter uma experiência única em meio à natureza. O grande destaque é que o pacote conta com uma doação, em nome do contratante, para o Onçafari, beneficiando os esforços de preservação da onça-pintada”, afirma Mario Haberfeld, fundador do projeto.

O Onçafari trabalha para habituar animais, como a onça-pintada, à presença de veículos. À medida que os animais se acostumam com a presença dos carros de safári, deixam de encará-los como uma ameaça e ficam mais à vontade, o que facilita o desenvolvimento do ecoturismo na região. “Isso não significa domesticá-los, e sim mantê-los totalmente selvagens e livres, mas sem que se sintam ameaçados pela presença de veículos. Trata-se de uma interação neutra entre ser humano e animal, na qual a aproximação não gera nem malefícios nem benefícios. Somente em 2019, 98% dos hóspedes avistaram onças-pintadas”, comenta Haberfeld.

Mais informações em https://oncafari.org/o-oncafari/bases/pantanal/ e https://news.matuete.com/pantanal (Sigaomapa.blog)

Comentários