Turismo

Roteiro para quem procura tranquilidade

São Paulo oferece passeios em meio a belas paisagens cercadas de montanhas, rios, cahoeiras e matas
Roteiro para quem procura tranquilidade
Em Analândia, um paraíso para os bikers. Crédito da foto: Divulgação

O território paulista está repleto de opções para quem pretende mudar de ares neste fim de ano, mas prefere fugir da agitação do litoral badalado e dos grandes centros urbanos. “Viagens” reúne algumas sugestões para quem busca passeios tranquilos em meio a belas paisagens cercadas de montanhas, rios, cachoeiras e matas.

Analândia (190 km de Sorocaba) – Esta pequena cidade próxima a São Carlos, no centro do Estado, fica a 736 metros de altitude. Abriga lindas paisagens, águas cristalinas, cachoeiras, grutas, morros e montanhas. Tranquila e sossegada, é ideal para os praticantes do ecoturismo e dos esportes de aventuras.

Altinópolis (330 km) – Escolhido pelo escultor italiano Bassano Vacarini como o seu atelier de obras de arte, o município possui belíssimas paisagens aliada à gastronomia caipira. Também oferece ótimas opções de ecoturismo, com diversos rios, cachoeiras, grutas e corredeiras.

Roteiro para quem procura tranquilidade
Corredeiras são destaque em Altinópolis. Crédito da foto: Divulgação

Araçoiaba da Serra (20 km) – O “Esconderijo do sol” – em tupi-guarani -, além de suas belas paisagens, foi rota dos bandeirantes que percorreram o oeste brasileiro em busca de minas de ouro. O Morro do Araçoiaba é um dos seus pontos tradicionais e históricos. Foi o berço da mineração de ferro paulista. Os primeiros fornos de fundição são de 1551 e permanecem conservados até hoje.

Roteiro para quem procura tranquilidade
Araçoiaba oferece um passeio pela história. Crédito da foto: Divulgação

Bananal (420 km) – Na região da Serra da Mantiqueira, Bananal possui piscinas naturais de águas claras e fundo de areia branca. Para os apaixonados pelo turismo de aventura, a cidade conta com os atrativos da Serra da Bocaina, ideal para voos de asa delta e prática de rapel. O seu conjunto arquitetônico colonial é preservado pelo Condephaat.

Cajuru (300 km) – Abriga muitos rios, inúmeras cachoeiras, quedas d’água e grutas exóticas, além de diversas trilhas, em meio à flora e a natureza exuberante. A conhecida hospitalidade caipira inclui a gostosa gastronomia regional e doces cristalizados e em calda.

Cruzeiro (350 km) – Localizada aos pés da Serra da Mantiqueira, a região é muito procurada pelos praticantes de montanhismo e voo livre. O nome da cidade é atribuído a um marco em forma de cruz que delimita os Estados de São Paulo e Minas Gerais.

Leia mais  O Brasil turístico está nas telas

Itapira (165 km) – Região com muitas atrações naturais como corredeiras, rios e o Morro Gravy, é ideal para a prática de ecoturismo e de esportes radicais. Destaque para os diversos museus, casas de cultura e festas tradicionais que ocorrem durante o ano todo.

Itararé (245 km) – Integrante do Circuito Verde Paulista, essa bela cidade é rodeada por cânions e rios que escavaram as pedras e deram origem ao seu nome, que em tupi-guarani significa “pedra que o rio escavou”, em relação ao rio Itararé. Trilhas em meio da mata levam a belas cascatas que dão origem a diversas piscinas naturais.

Roteiro para quem procura tranquilidade
Em Itararé, trilhas cortam a mata e levam a belas cascatas. Crédito da foto: Divulgação

Joanópolis (200 km) – É conhecida por suas águas cristalinas e sua linda Cachoeira dos Pretos, que serve como cartão-postal da cidade. Destaque para os pesqueiros, mata exuberante e gastronomia caipira.

Piquete (300 km)- Área de preservação ambiental, com grande diversidade de flora, fauna e animais ameaçados de extinção. Os visitantes podem aproveitar dos passeios entre as trilhas, em meio à mata nativa e à paisagem montanhosa, além de belas florestas e cachoeiras.

Queluz (320 km) – Abriga o Pico Pedra da Mina, com 2.798 metros de altura, o mais alto do Estado de São Paulo e um dos maiores do País. A cidade integra o Circuito Caminhos da Corte, com fazendas antigas do ciclo do café, além da recente safra de fazendas leiteiras, pousadas e hotéis fazenda.

Roteiro para quem procura tranquilidade
Circuito Caminhos da Corte passa por Queluz. Crédito da foto: Divulgação

São Bento de Sapucaí (290 km) – É a porta de entrada para a Pedra do Baú, que erroneamente é considerada como parte de Campos do Jordão, município vizinho. Ideal para quem gosta da prática de esportes radicais, como rapel, escaladas e voo livre.

Leia mais  Região de Sorocaba tem repasses para obras e infraestrutura turística

Água é a principal atração destas cidades

Águas da Prata (230 km) – A Estância Mineral localizada a 238 km da capital faz divisa com o Estado de Minas Gerais e integra o circuito Café com Leite. É conhecida pela água mineral existente em abundância devido à vegetação da Mata Atlântica, e pela topografia, rodeada de montanhas, muitos bosques e cachoeiras.

Águas de Lindoia (190 km) – É considerada a capital termal do Brasil, com fontes de água de rico poder curativo. Possui excelente infraestrutura hoteleira e gastronômica, em meio a inúmeras fontes de água mineral e clima de montanha. Integra o Circuito das Águas Paulistas.

Atibaia (150 km) – Estância climática, está localizada em um belo conjunto de serras, dentro do complexo da Serra da Mantiqueira. É frequentada por milhares de turistas atraídos pelo clima serrano privilegiado e beleza natural exuberante da Mata Atlântica. Destaque para os esportes radicais praticados na Pedra Branca, como o trekking, voo livre e rapel.

Conheça uma região cercada de aventura por todos os lados

Bofete (110 km) – É conhecida pelas festas tradicionais e religiosas que atraem milhares de visitantes, como a Festa do Divino, a Festa da Padroeira e o Festival Carreirinho de Música de Raiz. Entre as belezas naturais, destaque para a atração conhecida como Três Pedras e o conjunto de formações rochosas que faz parte do Circuito Polo Cuesta.

Leia mais  Pista principal de Congonhas terá obras de reformas

Botucatu (150 km) – Fundada em 1720, a cidade tem no nome a origem indígena, Ybytu-Katu, que em tupi significa “bons ares”. Sua formação montanhosa é ideal para escaladas, canyoning e trekking. O contato com a natureza propicia passeios por cachoeiras, trilhas e turismo rural.

Mairiporã (120 km) – Localizada na Região Metropolitana de São Paulo, a maior referência da cidade é a represa que abastece a Capital. Porém, exibe uma exuberante paisagem e clima interiorano com restaurantes caseiros à beira d’água.

Pindamonhangaba (240 km) – Integra o Circuito Rota da Liberdade, com atrações tanto para quem gosta de tranquilidade quanto de esportes radicais. A exuberante paisagem local está entre picos e o ar bucólico dos pesqueiros. O céu costuma ficar repleto de asas delta, para-quedas e balões. Destaque ainda para a arquitetura de palacetes, centros culturais, igrejas e santuários.

Santo Antônio da Alegria (320 km) – Os turistas podem desfrutar de cachoeiras, trilhas, serras e vales, em meio a áreas ainda quase intocáveis. A cidade integra o Circuito Roteiro Turístico UAI Paulista, que valoriza os costumes, o patrimônio histórico e cultural.

São João da Boa Vista (220 km) – A cidade natal da pianista Guiomar Novaes possui clima ameno e natureza que proporciona muitas opções de turismo ecológico e rural, apesar de ser mais famosa pelo turismo religioso. É conhecida como “a cidade dos crepúsculos (amanhecer) maravilhosos”. (Da Redação com Secretaria Estadual de Turismo)

Comentários