Turismo

‘Novo normal’ já conecta trabalho com descanso

‘Novo normal’ já conecta trabalho com descanso
Um passo além do home office, o work with a view (trabalho com uma vista) amplia o conceito de turismo. Crédito da foto: Divulgação

Quem nunca sonhou em acordar em um dia comum, abrir a janela e ver o mar? Em tempos de trabalho remoto, essa realidade pode estar mais próxima do que se imagina. Até 2020, poucas empresas no Brasil estavam prontas para o home office, mas quase um ano depois, muita gente viu benefícios e quer continuar nessa modalidade — e por que não transformá-lo em anywhere office? Algumas empresas até já começa a difundir o conceito de work with a view (trabalho com uma vista), mostrando que é possível trabalhar em qualquer lugar, inclusive com os pés na areia, com mais qualidade de vida e possivelmente até com mais produtividade.

Um relatório de tendências com base em pesquisa da Box1824 — produzido em parceria com The Summer Hunter — mostra que o trabalho remoto, mudança acelerada pelo cenário da pandemia, deve se manter depois dela, seja parcial ou integralmente. Entre os dados reunidos no documento, é possível identificar que 52% dos profissionais brasileiros desejam manter o trabalho remoto após o isolamento com idas ocasionais ao escritório (IBM, 2020); 94% das empresas brasileiras afirmam que atingiram ou superaram suas expectativas de resultados com o home office (Fundação Instituto de Administração, 2020) e 70% da forma de trabalho global funcionará remotamente pelo menos cinco dias ao mês (WGSN, 2020).

“A rotina ficou mais flexível no sentido de você poder estar em ‘casa’, em contato com a natureza, respirando um ar puro e tendo a chance de, numa pausa no expediente, dar um pulo no mar e voltar para participar de uma sequência de reuniões. Num momento de reclusão como o que vivemos, isso tudo faz muita diferença”, conta o head de vendas Fernando Flumian, que escolheu a vila litorânea de Barra do Una, no município de Peruíbe (SP) para passar pelo período da quarentena com mais qualidade de vida e perto da família.

“Sabemos que a adaptação ao formato remoto não foi fácil, mas também mudou o conceito de espaço de trabalho. Para algumas profissões, isso significava estar em um escritório; hoje pode significar trabalhar em um espaço confortável, com sinal de internet e energia elétrica”, explica João Pedro Zattar, gerente de marketing da cervejaria Corona, uma das empresas que incentivam o work with a view. “A nossa proposta com anywhere office é compartilhar informação de qualidade e relevância para que as pessoas que trabalham remotamente possam trazer mais equilíbrio e saúde mental para a sua rotina simplesmente mudando de ares, estando mais próximas da natureza e ganhando até mais produtividade por conta disso”, complementa. Confira abaixo as histórias de trabalhadores que já decidiram mudar de vida e adotar o novo normal.

Em meio à pandemia, litoral traz sensação de liberdade

‘Novo normal’ já conecta trabalho com descanso
A praia do Forte (BA) é um dos destinos preferidos dos brasileiros. Crédito da foto: Divulgação

Quase um ano de quarentena oficial fez muita gente sonhar em sentir a areia sob os pés, sentir a brisa e tomar banho de mar. O litoral é a preferência nacional em viagens pelo Brasil, tendência acentuada pela sensação de liberdade causada por tanto tempo passado dentro de casa. Os destinos prediletos? Nordeste, para viagens aéreas, e litoral de São Paulo, para escapadas de carro.

Leia mais  Projeto quer desenvolver o turismo rural

“Para praia” foi a resposta de 60% dos brasileiros ouvidos em levantamento da Booking.com quando questionados sobre os tipos de viagem que provavelmente farão em 2021. “Isso é algo que sempre existiu, mas com a pandemia se intensificou. Com 8 mil quilômetros de costa, fomos criados na praia, viajando sempre que possível”, afirma Luiz Cegato, gerente de Comunicação da Booking.com para a América Latina. Os dados são resultado de uma pesquisa realizada on-line em novembro de 2020, com 47.728 viajantes em 28 países, sendo 1.996 do Brasil.

Paixão nacional

Litoral é sempre a escolha de destino de Luis Marsola e Renata Lajos. Em dezembro de 2020, o casal esteve no Nordeste, em Natal, e depois no Sul, na catarinense Balneário Camboriú. “Geralmente, a gente procura a praia, para conhecer novos lugares e poder descansar”, conta Marsola.

Na Azul Viagens, o total de reservas para destinos de praia no Brasil foi 51% maior no último trimestre de 2020, comparado a esse período em 2019. ‘Para 2021, a tendência é de alta. Já estamos 15% acima do mesmo período em 2020 e 6% acima de 2019‘, diz Daniel Bicudo, diretor da operadora. ‘O Nordeste representa 80% do share da Azul Viagens. Entre os principais destinos, também se destacam Balneário Camboriú, Rio e Gramado.‘

O paulista é o principal público de três hotéis da Rede Carmel, no litoral do Ceará: Taíba Exclusive Resort, Charme Resort e Cumbuco — tarifas com café a partir de R$ 850 para casal. “Após o confinamento por causa da pandemia, notamos que o turista quer cada vez mais se conectar com a natureza, e a escolha mais recorrente com certeza é a praia”, diz Tarso Carneiro de Melo, CEO do grupo cearense, proprietário ainda de dois hotéis em Fortaleza.

Leia mais  Seis praias do Guarujá que você precisa conhecer

A necessidade de contato com a natureza se intensificou entre os hóspedes do Tivoli Ecoresort Praia do Forte — município de Mata de São João, no norte da Bahia. “Aumentou a procura por atividades náuticas e experiências em família, como o piquenique no gramado ao pôr do sol”, conta João Eça Pinheiro, diretor-geral do resort, com diárias desde R$ 1.492 para acomodação dupla com meia pensão. O resort também passou a oferecer tratamentos de maior duração no Anantara Spa.

“Os destinos do Nordeste, em especial a Bahia, estão sempre entre os mais procurados no Zarpo. Das reservas de janeiro e fevereiro para viagens em 2021, 50% são com destino ao Nordeste”, diz Daniel Topper, CEO do Zarpo, agência de viagens online.

Sem aéreo

Destinos de praia sempre representaram uma significativa parcela dos pacotes de viagem no Brasil vendidos pela CVC. Em 2019, foram 85%. Isso não sofreu grande alteração: o total de pacotes comprados para o litoral subiu para 89% em janeiro e fevereiro de 2021. Mas, na busca apenas por acomodação, sim.

“Quando se fala só de hospedagem, a preferência pelo litoral fica mais evidente. Em 2020, houve crescimento de 46% na procura por hotéis em destinos de praia, comparado a 2019. Em relação às vendas, em 2019 eles representavam 78% do total. Em 2020, subiram para 84%”, diz Daniela Bertoldo, diretora executiva dos Negócios B2C da CVC Corp.

Camila Guedes Dutra Silva já levou a filha, Lupita, várias vezes ao litoral paulista. “Ela ama desde os seis meses. Ter contato com o mar é maravilhoso.” Na viagem mais recente, foi um pouco mais longe com a pequena de dois anos e aprovou a novidade. “Adoro viajar para o Nordeste, mas me apaixonei por Balneário Camboriú”, resume.

Sem tirar o pé da areia

‘Novo normal’ já conecta trabalho com descanso
Resorts oferecem estrutura para quem trabalha passeando. Crédito da foto: Divulgação

O levantamento com viajantes da Booking.com, realizado em novembro de 2020, mostra que os brasileiros planejam ir ao litoral em 2021 tanto para curtir uma folga quanto para o home office intercalado com pausas na areia. Dos entrevistados no Brasil, 63% disseram que destinos de praia seriam provavelmente seus escolhidos para trabalho remoto.

Leia mais  Pousadas de Noronha lançam site para busca de hospedagem

Nos hotéis da Rede Beach, no litoral norte paulista, o tempo de permanência tem sido em média de três diárias, mas as opções de hospedagem prolongada também foram bem aceitas. “Muitas famílias vieram fazer home office e a escola remota dos filhos conosco, aproveitando as áreas livres e tornando os dias da família mais gostosos à beira-mar, mas com toda a segurança”, conta Patrícia Luz, gerente-geral da rede. Em Maresias, o pacote com duas diárias no fim de semana (de sexta a domingo) custa desde R$ 1.402,50 para o casal — uma criança de até 5 anos no mesmo quarto não paga. A tarifa inclui café da manhã e serviço de praia.

Virando rotina

Quando pode, o economista Roberto Musto escapa com a noiva, Ana Paola Sauter Braga, para dias no TW Guaimbê, em Ilhabela. “Voltei agora de lá. Incorporei a videoconferência. Posso ter uma reunião e não preciso ir até Brasília. Com certeza, isso vai ficar na minha rotina pós-pandemia porque aumenta a qualidade de vida”, diz. “A praia é um dos maiores energizantes naturais, pelo banho de mar e de sol e pela sensação de liberdade que nos dá.”

Ele conta que já viu muita gente fazendo isso no litoral. “O cara fica em um canto do restaurante fazendo o trabalho dele, enquanto a mulher toma sol e o filho brinca.” Mas Musto reforça que nada substitui o contato pessoal em uma definição de negócios.

O hotel no litoral norte dispõe de apenas 16 suítes em quase 4 mil m² em meio à mata e ao mar, com acesso tanto por carro, barco e helicóptero (o TW agenda o traslado de heliponto próximo). “A procura segue em alta não só para 2021, como já é significativa para 2022. O TW tem sido uma escolha para quem preza por segurança e privacidade, em espaços cercados pela natureza, e procuram por suítes com uma metragem generosa para se sentirem em casa por aqui também”, diz Ana Luiza Jardim Barbieri, gerente-geral do hotel, cujas tarifas com café saem a partir de R$ 1.199 — valor de domingo a quinta-feira em março e abril, com mínimo de duas diárias. (Da Redação e Nathalia Molina – Estadão Conteúdo)

Comentários