Mix

Pets têm monotonia alimentar?

Conheça um pouco mais sobre o paladar de cães e gatos
Enquanto os cães têm 1,7 mil, os gatos têm 500 papilas gustativas. Crédito da foto: Divulgação

Será que os pets sofrem de “monotonia alimentar”? Respondendo à pergunta: de forma geral, monotonia alimentar não é um problema para os animais de estimação, apesar de ser um pensamento constante na cabeça dos seres humanos. Um dos motivos é o fato de que os cães têm muito menos papilas gustativas do que nós: são cerca de 1.700. Os gatos, menos de 500! Enquanto nos humanos esse número chega à média de 9 mil.

Ou seja, basicamente, eles têm menos sensibilidade de sabores, e por isso, a chance de enjoarem de algum tipo de pet food é muito menor. “A maioria dos cães não terá problema em comer a mesma ração por muitos anos — comenta a médica-veterinária Mayara Ramos da Silva, especialista em comportamento animal — mas outros terão, sim, a necessidade de variar um pouco os sabores”.

Leia mais  Cuidar de pets pode ser uma tarefa lucrativa e prazerosa

No entanto, não é difícil variar a alimentação sem causar males à saúde dos pets. Até porque a maioria deles costuma ser bem gulosa, e adora um snack. “Em primeiro lugar, vale a pena escolher uma ração de boa qualidade. As boas marcas sempre têm uma variedade de sabores: carne bovina, frango, peixe, cordeiro, etc. Só não é recomendado mudar a marca da ração com frequência, e de uma hora para outra. Caso seu pet comece a recusar muito a ração com a qual está acostumado, experimente trocar por um sabor diferente da mesma marca”.

Mudança de marca

Mudanças de marca devem acontecer gradualmente. Primeiro, misture um terço da ração nova com a antiga, orienta a veterinária. Depois, metade do pote. No terceiro dia, coloque dois terços da nova ração com um terço da antiga. Então no quarto dia, ofereça o pote totalmente cheio com a ração nova.

Outros fatores podem influenciar no apetite, e estão ligados ao perfil das raças, e a fatores como castração. Existem raças mais comilonas, e os bichos costumam comer mais depois de castrados, por exemplo. De um lado, é importante controlar esses pets mais glutões para não terem problemas com obesidade e males relacionados. De outro, se seu pet insiste em demonstrar falta de apetite, é melhor levá-lo a um veterinário. A falta de vontade para comer é um sinal clássico de que algo não vai bem.

Leia mais  Salada de macarrão ao pesto de rúcula

Mas cuidar da alimentação do seu pet é mais do que oferecer um pet food de qualidade no horário no qual ele está acostumado. É importante ficar de olho, pois alguns quadros podem decorrer de excessos. “Raças grandes de cães podem sofrer torção gástrica. O cachorro come muito, rapidamente, e começa a se agitar, brincando ou correndo. O estômago pesado pode girar sobre si mesmo, torcendo as extremidades.

O quadro impede o funcionamento normal do órgão, o que causa muita dor, acúmulo de gases de fermentação, entre outros problemas. E pode levar à morte do animal se não for resolvido rapidamente. Coceiras, queda de pelos e crises de diarreia, com sangue, também podem estar relacionados à alimentação, por conta de alergias. Ficou com uma pulga atrás da orelha? Não pense duas vezes, leve seu pet a um médico-veterinário de confiança! (Portal Melhores Amigos)

Leia mais  Brasil lança 325 mil toneladas de plástico no mar por ano

 

Comentários