fbpx
Mix

Identificação muito além da plaquinha e do microchip

Microchip e rastreadores ajudam os tutores a terem mais controle sobre os pets
Identificação muito além da plaquinha
A plaquinha com os dados do animal e do dono é a forma mais simples de identificação de animais de estimação. Crédito da foto: Pixabay.com

Iniciativas de identificação e localização de animais de estimação têm surgido nos últimos tempos graças a fatores como evolução tecnológica, saúde pública e, claro, a cada vez mais forte relação entre humanos e bichos. São medidas importantes, que garantem não só a segurança, como qualidade de vida aos peludos, garantindo que eles sempre estejam pertinho de seus tutores e bem cuidados.

Entre essas medidas estão novas formas de documentação, como plataformas para o registro geral dos pets, a microchipagem e até rastreadores. Quando o assunto é a identificação dos animais, a maneira mais simples é o chamado RGA (registro geral animal), segundo Camila Lozano da Silva, médica-veterinária..

“Atualmente, existem diversas formas de fazer o RGA. Ele pode ser feito em entidades credenciadas ou no Centro de Controle de Zoonose da prefeitura da sua cidade. Não existe uma iniciativa única ou uma rede com todos os dados. Cada cidade tem seu próprio banco de dados com as informações cadastradas ali”, afirma a especialista. Alguns dos exemplos são o RGA da Prefeitura de São Paulo e o RG Pet, do Instituto Pet Brasil.

Leia mais  O cubo mágico que desafia uma nova geração

Microchipagem

Já o microchip é o método mais seguro para a identificação do animal, já que o chip, além de ter um número único para cada pet, só pode ser retirado por cirurgia. É implantado geralmente na região dorsal do animal (entre as escápulas), permanecendo sob a pele. Seu tamanho é variado (de 8 mm a 12 mm de nanochip a microchip).

“Alguns microchips vêm com um QR Code em formato de placa, que pode ser afixado na coleira do animal. Através da leitura desse código, você tem acesso às informações do responsável pelo pet. O cadastro é feito online e todos os registros ficam no banco de dados da entidade escolhida para o cadastro. Infelizmente não existe um banco de dados universal”, afirma Camila.

Rastreadores e placas de identificação

Outra forma de identificar e localizar um pet são os rastreadores. “Existem aparelhos rastreadores que você acopla à coleira do pet. Normalmente esses ‘tags’ são vinculados a um sistema de rastreio que você consegue localizar via App o animal em tempo real. Isso ajuda muito em caso de perda ou roubo do pet”, diz a especialista.

Leia mais  Festa e desfile de cães marcam fim de ano do Colégio Politécnico

Camila lembra que, além de todas essas medidas citadas anteriormente para registro, localização e identificação do seu animal, existem outras formas de manter o seu pet em segurança. Uma delas é bem simples: as placas de identificação presas à coleira, com nome do animal, nome do tutor e telefone para contato. “É importante, também, sempre manter o animal em segurança durante os passeios ou pela coleira ou em caixas de transportes”, conclui. (Portal Melhores Amigos)

Comentários