Artigos Mix

Grilos “psicofelinos”!

Turma do Grafite
Grilos “psicofelinos”!
Crédito da foto: Neusa Gatto

Neusa Gatto

Escuto o Chiconauta andar de cá pra lá e de lá pra cá. Parece nervoso no quintal. E fala sozinho. Quem são essas pessoas que estão na casa? Que barulheira! E aquele sujeito, meio gordinho que cata os gatos como se fossem pacotes? Hãm! Fala baixinho ele.

E volta a circular. Espiar pela janela. Dar voltas pelo gramado.

Entendo o que ele resmunga. Certeza que fala dos amigos da nossa dona, serva, quero dizer, que comemoram alguma coisa dentro de casa. Ouvem música. Riem. Dançam. E, claro, o Chico odeia isso. Se assusta com tudo. Corre. Se esconde. Já vi a moça pegar ele no colo pra dançar. Que desespero… Então, vai pro chão.

Não gosta de gente estranha… e, nem sempre, das pessoas da casa… Que se faça muito chamego nele. Quer sempre ser o primeiro a comer. A chegar antes em tudo que é lugar. E, do nada, bate na gente. Vem pra cima. E, claro, leva a dele. Do Mestre e, agora, também de mim. Se vier, revido. Então, ele nem se arrisca muito. Enjoado…

Leia mais  Tráfico de pessoas: aliciamento cibernético, perigo real

Chego mais perto e dou um “e aí”? Ele parece até meio zarolho ao virar pra mim, como quem diz: Como “e aí” Grafite?

É, “e aí” falo, de novo. Tem uma porção de gente legal lá dentro, continuo. Sobra até uns tecos de frango pra nós. Carinho em muuuiittoooosss colos. E, você aí no quintal, “noiando”?

Mau sinal, ele permanece quieto. Se vira friamente e sai. Vai lá pro fundo do quintal espiar os macaquinhos nas árvores. Um monte deles. Mas, se ele pensa que vai conseguir pegar algum, pode esquecer. Já tentei. Difícil. Eles gritam uns para os outros pra avisar que tem gato na área. Mas, deixa ele… pelo menos refresca a cabeça!

Ouço agora um som lindo que vem da casa. Olha lá! A moça dança com o Mestre. Bichano esperto. Até fecha os olhos nos ombros dela.

Leia mais  Momentos!

Entro na casa e, já na cozinha, encontro o gordinho, aquele… Já dou um “fuaáááá”. Mostro logo todos meus dentes e passo batido. Ainda escuto seu resmungo às minhas costas: – gato biruta.

Me esgueiro pelos cantos e vou pro sofá. Ninguém me aporrinha porque, reconheço,tenho um gênio meio difícil também. Não gosto de muito lero lero… Então, penso no Chiconauta lá fora nos seus “grilospsicofelinos”. Me aconchego e entro num torpor de sono, tão meu velho conhecido!

Neusa Gatto é jornalista e produtora de vídeos

Comentários

CLASSICRUZEIRO