Mix

Doulas: a arte de ajudar a dar à luz

Elas auxiliam mulheres grávidas durante a gestação, no parto e no pós-parto
Doulas: a arte de ajudar a dar à luz
A OMS e o Ministério da Saúde recomendam a presença delas durante a gestação e o parto. Crédito da foto: Divulgação

Quando um bebê chega ao mundo, chegam também muitas dúvidas. Algumas delas, na verdade, já surgem desde a descoberta da gravidez. Para auxiliar a mãe, e toda a família, a doula tem um papel fundamental, acompanhando todas as etapas até o pós-parto. Em Sorocaba há grupos de orientação para gestantes e mães, mas não há dados sobre o número de partos realizados com o auxílio de doulas, já que esse serviço é particular e as profissionais atuam de forma autônoma.

As maternidades e hospitais das redes pública e privada de Sorocaba são obrigados, desde 2015, a permitir a presença de doulas, antes, durante e após o parto, sempre que solicitada pela parturiente. A Lei municipal 11.128 prevê que os estabelecimentos que não cumprirem estão sujeitos à multa. A presença da doula não substitui o direito da mulher de ter também um acompanhante da família durante o parto.

Gleise Piva, 36, é uma das fundadoras do Movimento Parto de Gente, um grupo de apoio e orientação à mulher e à formação da família, que traz informações sobre gestação, parto, amamentação e maternidade. A atuação das doulas em Sorocaba, conta, vem crescendo ano a ano, mas por ser um serviço particular não há dados sobre os atendimentos. “Ainda não há atendimento de doulas pelo Sistema Único de Saúde, embora possamos atuar em hospitais públicos, o atendimento de doula é particular”, explica Gleise, que há dez anos descobriu a profissão e passou a conciliar com a carreira de psicóloga.

Mulher que serve

A palavra “doula”, conta Gleise, vem do grego “mulher que serve”. Diferente das parteiras que realizavam os partos em casa antigamente, nos dias de hoje, doula é aquela mulher que dá suporte físico, emocional, informativo e cognitivo, oferecendo apoio e segurança, durante a gestação, trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. “Embora tenhamos conhecimento técnico sobre o parto, a doula não faz esse trabalho e sim o auxílio, ajudando a elaborar o plano de parto e dando todas as informações necessárias para os pais.” O parto humanizado pode ser realizado em casa ou nos hospitais e tudo isso é debatido ao longo da gestação.

Leia mais  Paulo Betti presta homenagem a Sorocaba e ressalta a história da cidade
Doulas: a arte de ajudar a dar à luz
A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Crédito da foto: Divulgação

O acompanhamento da doula é uma prática utilizada em diversos países desde a década de 1970, porém no Brasil a profissão ainda é um pouco conhecida. Em 2013 as doulas foram reconhecidas pelo Ministério do Trabalho e a atividade foi incluída na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). O Dia Nacional da Doula é comemorado em 18 de dezembro, em referência ao dia de Nossa Senhora do Bom Parto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde também recomendam a presença dessa profissional durante a gestação e o parto.

Natural

Segundo a OMS, cerca de 90% das gestações têm condições de resultar em parto normal e a presença de uma doula, destaca Gleise, pode influenciar diretamente na redução de cesáreas. “Fazer a intervenção cirúrgica não é problema algum quando ela se faz necessária, mas o parto natural oferece menos riscos e é benéfico para a mãe e para o bebê”, conta a doula, que já acompanhou mais de 380 partos.

Evidências científicas indicam que a presença da doula é benéfica durante a evolução do trabalho de parto. Entre os benefícios indicados nas pesquisas estão a diminuição do tempo do trabalho de parto, redução da necessidade de analgesia e intervenções, menos cirurgias cesáreas, maior taxa de parto vaginal espontâneo (natural), maior satisfação materna e menos neonatos com baixa pontuação de no índice de APGAR (avaliação de sinais vitais feita no primeiro minuto de nascimento e repetida cinco minutos após). “Quando a mulher se prepara para o parto buscando informações, sabendo qual é o plano para esse momento tão especial, ela se sente mais segura e o parto tende a acontecer de maneira mais tranquila e natural”, aponta a doula.

Leia mais  Meses frios pedem menos banho

Ana Paula teve mais confiança e segurança no segundo parto

Doulas: a arte de ajudar a dar à luz
Ana Paula contou com a ajuda de uma doula para trazer sua segunda filha, Maria Eduarda, ao mundo. Crédito da foto: Arquivo Pessoal

O parto, para as mulheres que desejam a maternidade, é um dos momentos mais sublimes e se sentir no controle da situação proporciona a mãe uma tranquilidade que muitas vezes foge às mãos quando não há uma preparação prévia. A publicitária Ana Paula Dias, 33, é mãe de Pedro Henrique, 12 e de Maria Eduarda, que nasceu no início de dezembro.

Embora os dois partos tenham sido normais, no primeiro, quando estava com 19 anos, Ana Paula recorda que não tinha muitas informações sobre os procedimentos que ocorreriam. Já na segunda gestação optou por procurar grupos de apoio e o serviço de uma doula. “Foram dois momentos muito especiais, mas completamente diferentes e posso dizer que munida de mais informações, me senti mais confiante e segura no segundo parto”, relata.

Leia mais  Evento promoverá doação de sangue animal

Da metade da gestação para o fim, lembra Ana Paula, ela participou de reuniões para conhecer a fundo o parto humanizado e foi tomando decisões e elaborando o plano de parto. “Foi tudo muito tranquilo e conforme o esperado. A doula me proporcionou a serenidade necessário para aquele momento.” A profissional que ajudou Ana Paula a trazer Maria Eduarda ao mundo foi Michelle Antunes Rocha, 34, mãe de três filhos.

Michelle conta que há 11 anos, quando estava grávida do primeiro filho, pesquisou sobre doulas, mas julgou esse acompanhamento como supérfluo. “Planejei um parto normal, mas por complicações acabou precisando de uma cesariana e aquilo me fez repensar a importância da doula”, relembra. As duas gestações seguintes foram com partos naturais, em casa, com experiências mais felizes. “Depois da terceira filha eu decidi me aprofundar nesse mundo e fui fazer curso para ser doula. De lá pra cá não parei mais e já acompanhei cerca de 300 partos.”

A função da doula, conta, está na conversa sobre o que se espera do parto e principalmente sanar dúvidas durante a gestação. No momento do trabalho de parto, segundo Michelle, a doula favorece a manutenção de um ambiente tranquilo, auxilia a mãe a explorar movimentos mais confortáveis e estimulantes, orienta o pai ou o companheiro e após o nascimento, ela também ajuda em relação à amamentação, ao banho e todos os cuidados necessários. “A doula é sempre a primeira a chegar e a última a sair. Se estiver em um compromisso e for a hora do bebê nascer, largo tudo e corro para encontrar a mãe.” (Larissa Pessoa)

Comentários

CLASSICRUZEIRO